WRC – Epílogo da época 2013. Parte2 – Análise dos pilotos

Feita a primeira análise de 2013, interessa falar individualmente dos pilotos que se destacaram este ano.

Ogier:
 Época de sonho do francês, no seu regresso ao mundial de WRC, pela mão da Volkswagen. Venceu e convenceu, dominando toda a temporada a seu belo prazer, perdendo apenas para Loeb dois rally´s, mas sem consequências na classificação do mundial, pois o seu compatriota não era do “seu campeonato”. Os que não ganhou apenas se deveu a erros seus, pois quando o francês não tem azares neste momento é imbatível. Será o início de uma nova dinastia? A verdade é que poucos o poderão bater.
Neuville: 
Sem dúvida das grandes revelações da temporada. Partindo para este seu primeiro ano na M- Sport, o jovem piloto belga era apontado como o 3º piloto da Ford, fazendo parte da equipa júnior da mesma. A verdade é que não tardou a demonstrar ser o melhor piloto da marca “oval”. Neuville, provou ainda ser dos poucos, se não o único a ter rapidez e qualidade para poder vencer num futuro próximo Sebastien Ogier. Detentor de uma condução espectacular, Neuville era conhecido pela sua rapidez em rally´s de asfalto, mas esta temporada mostrou grande versatilidade, e passou a ser competitivo em praticamente todos os tipos de pisos. O vice-campeonato valeu-lhe um contrato de 3 anos com a Hyundai, que na próxima temporada regressa ao WRC, com um projecto que promete ser ambicioso. Faltou apenas uma vitória para a temporada ser perfeita. Piloto com grande futuro.
Latvala: 
O piloto finlandês, conhecido pela condução espectacular que implementa em todas as provas, que algumas vezes já lhe deram alguns dissabores, foi igual a si próprio. Depois de vários anos na Ford, Jari, arriscou na ida para a Volkswagen, fazendo dupla com o Ogier. Com um início de época complicado, marcado pela clara falta de à-vontade ao volante do Polo R WRC, Latvala ao longo da temporada foi melhorando as suas prestações, culminado com uma vitória no Rally da Grécia. Numa época de clara ambientação à sua nova “montada”, o Finlandês consegue o 3º lugar no mundial, uma vitória, algumas boas exibições e inevitavelmente alguma chapa amolgada, pois a sua irregularidade não o deixou fazer melhor. Quem sabe na próxima temporada o grande adversário de Ogier “durma na porta ao lado”.
Hirvonen: 
Esta seria a época que Yves Matton, patrão da Citroen, tinha idealizado como a época em que M. Hirvonen seria campeão, sucedendo de forma logica a Loeb. Mas essa “lógica” não passou de mera ilusão. O piloto finlandês, que muitas vezes se bateu de igual para igual com Loeb, inclusive perdeu um campeonato por apenas um ponto, teve uma época para esquecer. Ou para recordar e não mais repetir. Sem confiança, sem ritmo, sem mínimo de competitividade, o piloto da Citroen foi “banal” sendo facilmente batido por toda a concorrência, e não teve uma pior classificação final no mundial, por falta de regularidade dos pilotos de meio da tabela. Valeu que Mikko Hirvonen bateu tanto como o que andou…pouco. Terá sido o adeus á Citroen? Malcolm Wilson já pisca o olho a Mikko…
Sordo: 
Estranha época de D. Sordo, que foi do inferno ao céu e vice-versa várias vezes esta temporada. É certo e sabido que o piloto espanhol é um verdadeiro especialista no asfalto, isso valeu-lhe a sua primeira vitória da sua carreira no WRC. Mas quando se entra em outros “terrenos”, Sordo é pouco mais que razoável. Um piloto vencedor tem de ser completo. As marcas não podem viver só dos rally´s de asfalto ou de rally´s em gravilha. Muito competitivo em asfalto, mas muito modesto em gravilha. Valeu a vitória na Alemanha, numa época que provou não ter andamento para voos mais altos.
Ostberg: 
Das grandes desilusões da temporada. Um piloto que já o vimos fazer coisas incríveis, passou completamente ao lado de toda a temporada. Nem no Rally da Suécia, onde teria mais facilidade, por razões óbvias, o norueguês conseguiu “dar um ar da sua graça”. Sem andamento para os homens mais rápidos, fez uma época modesta, sempre a meio da tabela. Terá pesado o facto de competir numa equipa oficial, com responsabilidades, ao qual Ostberg não soube responder. Terá dado um tiro no pé?
Novikov: 
Mais um piloto da Ford que teve uma temporada muito difícil. O piloto Russo que sempre havia corrido como privado, encarava esta temporada como a da sua confirmação enquanto piloto rápido e competitivo como sempre o tinha mostrado, muitas vezes exageradamente, pois raramente mantinha o carro na estrada até final do rally. Esta temporada viu-se um Novikov diferente, mais calmo, e mais racional. Mas a verdade é que as coisas não lhe saíram bem. Continuou a bater, também com alguns azares a estragaram-lhe uma temporada que poderia ter sido de confirmação, mas que assim passou a ser uma época de desilusão. A sua juventude dar-lhe-á mais oportunidades de mostrar o seu talento, (que é muito), faltando saber extrair esse potencial, numa relação “rapidez – consistência”.
Loeb: 
Foi a época de despedida do multicampeão do mundo Sebastien Loeb. O piloto francês fez uma “época” curta nos rally´s, fazendo apenas quatro aparições, onde ainda foi a tempo de vencer duas delas, demonstrando que poderia perfeitamente ser de novo campão mundial. Teríamos uma das melhores lutas dos últimos anos, mas o francês, preferiu mudar de “ares”. Finaliza assim um “era” no mundo dos rally´s.
Prokop: 
Este é um raro caso no WRC, pois é o único piloto privado a correr no mundial. Martin Prokop é o único do “seu campeonato”, não tendo capacidade para ombrear com os oficiais, falta-lhe concorrência do seu nível para se perceber o que de facto vale o Checo. Não sendo um piloto rápido, vale pela sua consistência. Os pontos que vai amealhando são prémios merecidos pela sua coragem. Pena é que as contingências económicas mundiais, não permitam que mais pilotos sigam o seu exemplo.
Mikkelsen: 
O piloto “junior” da Volkswagen não teve uma temporada fácil. Talvez Mikkelsen tenha posto a “nu” as fragilidades que o Polo R WRC também tem, com toques e mais toques danificando muito a aerodinâmica do seu carro em várias provas, afectando muito os seus desempenhos em muitas das provas do mundial. Ainda assim o Norueguês demonstrou ter qualidade e rapidez, tudo isto para ser trabalhado, pois a sua tenra idade dá-lhe muita margem de evolução. 

Kubica:
Época de sonho para o piloto polaco, que venceu o mundial de WRC2, de forma categórica, demonstrando toda a sua versatilidade ao volante de diferente tipos de automóveis. Apesar das suas evidentes dificuldades no braço afectado à dois anos num acidente de rally, Kubica continua a ser um piloto competitivo, e a prova disso foi este título mundial. Para isso o polaco teve de amolgar muita chapa, e aprender com os erros. A última prova do mundial, trouxe-lhe a sua primeira experiencia ao volante de um WRC, que não correu nada bem, terminado duas vezes de “cabeça para baixo”, em dois dias. Ainda assim é apontado como possível piloto da Citroen na próxima temporada. Estará preparado?
Feita a analise dos pilotos que mais se destacaram este ano falta apenas ver a época pelo ponto de vista das equipas. Sigam no nosso blog todas as novidades.
Carlos Mota.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.