Novas soluções para a F1

foto: Mercedes
foto: Mercedes

Quando se fala tanto ou mais em soluções para a F1 do que no que se passa em pista é claramente um mau sinal. E infelizmente nada se faz para que a situação se resolva. É um assunto já muito debatido e não vamos relembrar as opiniões e as decisões tomadas até agora. A única coisa que parece clara é que de facto a F1 está em crise. É uma crise tenta ser abafada a cada Grande Prémio mas cujo ruido não permite o esquecimento.

As soluções tem sido propostas em catadupa e claramente será difíceis de implementar e mais ainda, de surtirem efeitos positivos.

Bernie Ecclestone mantêm-se contra os V6. O “patrão” da F1 sempre foi contra a ideia e serve-se agora do aumento de custos que os V6 Hibridos provocaram para chamar a si a razão. Bernie diz que a F1 não é só tecnologia e também é entretenimento. E que se deveria trazer de volta os motores V8 e fazer subir a potência até aos 1000cv, como se o número 1000 de repente viesse trazer mais interesse à modalidade.

Foto: McLaren
Foto: McLaren

O entretenimento não falta na F1. 2014 foi uma boa colheita para a modalidade e a emoção esteve presente em muitos GP´s. Além disso é deitar fora milhões em investimento nas plataformas dos V6 Hibridos e gastar milhões para voltar a preparar estruturas e carros para receber V8 de 1000cv. Desengane-se quem pensa que é chegar à prateleira recuperar os antigos V8 e afinar de modo a debitarem mais cavalos. O problema não está no factos dos motores serem híbridos. No WEC, os LMP1 são híbridos. É por causa disso que a competição não tem emoção? Quem viu a corrida de Silverstone ficou com a ideia contrária. E a forma de atrair novas marcas é com os híbridos. A Ford por exemplo apostou forte no EcoBoost e agora usa esse tipo de motores em todas as competições em que está envolvida. A Audi usa híbridos há muito tempo no WEC. Têm mais experiencia em competir com híbridos do que com outro tipo de motores.  O mundo automóvel está a caminhar para os híbridos. Ferrari, McLaren, Porsche têm agora supercarros fantásticos desenvolvidos a partir de conceitos híbridos. O problema da F1 não está no motor.

 

O problema da F1 está na deficiente distribuição do dinheiro ganha, no afastamento da modalidade dos fãs e das regras demasiado apertadas que retiram variedade e engenhosidade.

 

foto: Toro Rosso
foto: Toro Rosso

Max Mosley, antigo presidente da FIA apresentou uma ideia que não é descabida de todo. Pelo menos faz mais sentido que as ideias anteriormente apresentadas e poderá voltar a trazer de volta uma característica antiga da F1… variedade.

Mosley defende que deve ser imposto um limite de gastos às equipas. Uma luta que dura há anos e que teima em não dar frutos. As equipas grandes gastam milhões e as equipas médias sobrevivem com metade do orçamento, ou menos, e mesmo assim tentam ser competitivas. Mas Max Mosley defende um limite de custos inteligente. É atribuído um tecto de gastos às equipas mas em troca, a FIA dá total liberdade para desenvolver o carro. Nada de regras impostas. Cada equipa seria livre de fazer render o seu dinheiro da forma que quisesse. E assim seria imposto um tecto que poderia trazer mais equilíbrio as equipas, seria uma forma de obrigar as equipas a encontrar soluções eficazes e mais baratas, as equipas grandes manteriam a sua vantagem pois as estruturas que já possuem permitiram usufruir da liberdade dada para criar carros revolucionários, as equipas pequenas teriam possibilidade de inovando chegar às grandes do grid. As equipas grandes já têm os meios para isso, seria so o caso de atrair as pessoas certas e nisso mais uma vez teriam vantagem, algo de que não querem abdicar. As equipas mais pequenas teriam hipótese de lutar de igual para igual e quem sabe com a ideia certa superar as grandes do Grid.

 

A ideia faz sentido. Hoje em dia os carros são muito similares e é difícil ganhar vantagem sobre outras equipas com regras tão restritas. Adrian Newey queixou-se várias vezes que a F1 é demasiado castradora para os designers. Com total liberdade para criar, voltaríamos a ver carros muito diferentes como nos anos 60/70, cada equipa poderia apostar numa filosofia diferente e assim ganhar vantagem e no somatório todos gastariam o mesmo. Quem ganhasse seria por mérito das suas ideias e dos seus pilotos e não graças a um orçamento colossal.

 

Poderá não ser ainda a solução ideal mas é claramente uma solução que merece ser trabalhada.

 

Esperemos que quem manda faça o que deve para não deixar cair a F1.

 

Fábio Mendes

Um pensamento sobre “Novas soluções para a F1

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.