F1: GP da Áustria – Antevisão

foto: Red Bull
foto: Red Bull

Depois da passagem pelo Canadá, a F1 regressa à Europa para respirar o ar puro das montanhas da Áustria, mais concretamente ao traçado do Red Bull Ring.

O Red Bull Ring começou a sua vida como Österreichring em 1970, tendo recebido a F1 até 1987. Entretanto a pista foi remodelada de forma a aumentar a segurança do traçado. O responsável pela alteração traçado foi o inevitável Tilke mas desta vez não fez asneira e manteve a essência do circuito. A remodelação foi paga pela operadora de telecomunicações A1 e como tal a pista foi rebaptizada de A1-Ring. Recebeu a F1 de 1997 a 2003.

Entretanto o circuito começou a ser alvo de novas obras de requalificação mas as obras ficaram a meio e como tal o circuito deixou de se poder usar. O destino do circuito parecia traçado mas  Dietrich Mateschitz dono da Red Bull, comprou o complexo. Depois de avanços e recuos, a pista foi finalmente arranjada e recebeu em 2011 o DTM e a F2, estando criadas as condições para o regresso da F1 que se concretizou em 2014.

foto: f1fanatic.co.uk
foto: f1fanatic.co.uk

É uma pista simples mas que nos agrada muito.  A sua simplicidade e o decilive que apresenta são um desafio, pois as velocidades são altas. Uma pista à antiga onde não há o “pára arranca” dos novos traçados, com curvas a 90 graus. Aqui o que conta é a velocidade e o talento para andar mais depressa que os outros ( vá e o carro também é muito importante). É uma pista que à semelhança do Canadá, que exige ao nível da velocidade de ponta, mas mais fluída, que poderá proporcionar uma boa corrida.

 

 

Dadas as características da pista, a Mercedes apresenta vantagem em relação às concorrentes. O motor é bom, o chassis é do mesmo calibre e como tal está tudo bem encaminhado para os homens da marca germânica. No ano passado a Williams fez render as características do seu carro e conquistou a pole e um pódio, naquele que foi o fim de semana da reviravolta para a equipa tendo iniciado uma recuperação muito positiva ao longo do resto da época. Este ano as coisas não parecem muito famosas e o novo carro não parece querer mostrar o potencial de que tanto se falou no inicio do ano. Não nos parece que consigam brilhar como fizeram no ano passado. A Lotus sim é a nossa aposta para uma surpresa. A equipa vem em crescendo, Maldonado já pontuou e poderá ter afastado alguns fantasmas, Grosjean tem estado regular (se bem que nos tem desiludido um pouco este ano… podia fazer mais) e o carro tem características que nos parecem as indicadas para o traçado. Uma equipa a ter debaixo de olho.

foto : Ferrari
foto : Ferrari

A Ferrari prepara mais um ataque à Mercedes. As melhorias introduzidas no carro no Canadá não foram visíveis,dadas as circunstâncias da corrida, mas o optimismo é palavra de ordem na Scuderia e poderá ser que esta corrida traga novidades ao nível do andamento da Scuderia. Curiosidade também para ver como reagirá Raikkonen depois de mais um fim de semana negativo. De Vettel espera-se mais um pódio para vingar o azar da prova passada.

A Force India prometeu que a tão esperada versão B do seu VJM08 iria estar presente nos testes as realizar na Áustria, depois da prova. Será que a equipa vai introduzir já o seu novo carro ou deixará para Silverstone a estreia oficial? Uma coisa é certa, Hulkneberg vem com o ego e a motivação nos píncaros depois da vitória em LeMans. Já merecias  Hulk. Que a tal versão B venha depressa e que permita aos dois pilotos da equipa mostrar a qualidade que todos lhes reconhecem.

 

foto: Red Bull
foto: Red Bull

Quem deverá estar à espera de um fim de semana cinzento é a Mclaren, Toro Rosso e Red Bull. A McLaren tem muito que melhorar (pessoalmente esperava que nesta fase tivessem outra consistência) e esta pista, tal como a anterior não favorecem em nada o carro que tem uma gritante falta de potencia e fiabilidade. No entanto, pelos vistos, vão estrear um nariz mais curto que demorou a passar nos testes de segurança da FIA, mas que já terá autorização para equipar o MP4/30. Já a Toro Rosso e a Red Bull, com o motor Renault a não dar para “grandes festas” terão de improvisar e tentar novas soluções. Para a Red Bull será  duro jogar em casa e possivelmente largar do fundo do grid devido às mais que prováveis penalizações por uso de mais componentes de motores. A única forma de ver o Red Bull na frente será mesmo nos cartazes. Há rumores que a Red Bull poderia usar motores Ferrari no futuro, algo que sinceramente não acreditamos. A única coisa concreta é que o chefe da equipa e dono da marca de refrigerantes disse publicamente que está a perder interesse na F1… E se isso acontecer pode ser mau para a modalidade.

 

Dados da pista:

Cumprimento de pista: 4.326Km

Nº de voltas: 71

Distância de corrida: 307,02km

Volta mais rápida em corrida: Michael Schumacher, 2003, 1:08:337

Record de pista: Michael Schumacher, 2003, 1:07:908

Nivel de Downforce: Médio/Baixo

Consumo por volta: 1.4Kg

Pneus para 2014: Soft e Supersoft

Traçado da pista:

Sem Título

Comparação com o traçado antigo

011a6-612px-25c32596sterreichring-a1ring-svg

Onboard da pista

No ano passado foi assim:

 

Fábio Mendes

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.