Verizon IndyCar Series – MAVTV 500

foto: Twitter SPEED
foto: Twitter SPEED

Faltam seis provas para o final do campeonato, e o final aproxima-se bem depressa. Os pilotos apertaram bem os cintos e rumaram até à Auto Club Speedway, em Fontana, para uma corrida longa mas com velocidades acima das 220 milhas por hora.

Gabby Chaves (#98) teve um problema na box com o seu rádio e perdeu 14 voltas em reparações.

Simon Pagenaud (#22) nem teve tempo de disfrutar a liderança, porque Marco Andretti (#27) veio de 3º para 1º na chegada à curva 1.

Hélio Castroneves (#3) acabou por terminar a primeira de 250 voltas na frente.

Toda a gente estava ao ataque, com três, quatro e cinco pilotos lado a lado. Parecia que estavamos a ver uma corrida da NASCAR em Daytona ou Talladega.

Andretti, Castroneves, Juan Pablo Montoya (#2), Tony Kanaan (#10), Ed Carpenter (#20), Scott Dixon (#9) e Simon Pagenaud estavam dentro de um segundo de distância, com mais de 10 carros imediatamente a seguir o cone de aspiração.

Pagenaud passava por algumas dificuldades e caia para fora dos 10 primeiros.

Pela volta 15 as coisas ficaram mais estabilizadas, com o pelotão mais em fila, mas os duelos continuavam a acontecer. Na frente, Andretti e Kanaan trocavam a liderança, várias vezes durante uma volta.

Ryan Briscoe (#5) começou fora dos 10 primeiros mas não tardou a atacar os líderes, tal como Sage Karam (#8), que avançava sem dó nem piedade pelos veteranos à sua volta. Na volta 24 o jovem viu uma oportunidade de chegar à liderança e conseguiu-a, passando por Kanaan.
Kanaan respondeu pouco depois, e após a primeira ronda de paragens – que começaram à volta 33 – manteve a liderança. Nessa ronda de paragens, Tristan Vautier (#19) atingiu um dos seus mecânicos.

foto: indycar.com
foto: indycar.com

Hélio Castroveves teve um reabastecimento mais demorado e perdeu alguns segundos.

Takuma Sato (#14) apareceu forte após a primeira ronda de paragens e chegou à liderança na volta 47. Nesta altura, Scott Dixon (#9) também se mostrava pronto para a luta e passou também pela liderança, quando estavam 11 pilotos separados por dois segundos.

Após a segunda ronda de paragens, entre a volta 65-75, Will Power (#1), que tinha sido o último dos líderes a parar, conseguiu sair das boxes na frente, mas era imediatamente pressionado por Kanaan, Castroneves (que já tinha recuperado do seu atraso nas boxes), Sato e Montoya.
Castroneves e Power iam trocando a liderança, e mais de 10 pilotos continuavam a passar e ultrapassar várias vezes numa volta.

Kanaan apareceu nos primeiros lugares e passou por Power. Após um erro do campeão em título, Kanaan ganhou uma margem de meio segundo que deu para respirar um pouco. Mas com as velocidades tão elevadas, os cones de aspiração eliminavam num instante qualquer margem entre carros. Sato foi o piloto que eliminou essa margem para liderar na volta 106.

Começava mais uma ronda de paragens na volta 107, que se estenderam até à volta 113, e ficaram Power, Kanaan e Castroneves a disputar a liderança.
Power caiu de 1º para 8º com facilidade em apenas uma volta, apenas para terem uma ideia das movimentações no pelotão. Nesta altura estavam 14 carros separados por dois segundos.

Este turno de corrida ficou marcado pelos ataques agressivos de Graham Rahal (#15) à liderança de Hélio Castroneves, com Tony Kanaan a seguir logo atrás.

foto: Vavel.com
foto: Vavel.com

Na volta 136, Rahal passou por fora Castroneves e subiu à liderança da corrida. O brasileiro perdeu velocidade na saída da curva e ficou no meio de Ryan Briscoe e Will Power. Briscoe, por dentro, fechou o espaço entre eles demasiado cedo. Castroneves tocou na traseira de Briscoe, e também tocou em Power, e fez um pião. Castroneves não conseguiu evitar o toque na barreira, e a sua corrida acabou ali, apesar da equipa ainda ter tentado efetuado reparações. Era a primeira situação de bandeiras amarelas.

Juan Pablo Montoya conseguiu evitar miraculosamente o carro de Castroneves.

Briscoe ficou com alguns danos no seu carro mas não perdeu muito tempo em reparações.

Will Power, sem estragos no seu carro, foi o primeiro a sair das boxes em mais uma ronda de paragens.

A situação de bandeira amarela foi um pouco longa, o que ajudou na poupança de combustível e evitava, a priori, uma paragem adicional perto do fim da corrida para combustível.

A corrida recomeçou na volta 152, a 98 do fim. Imediatamente ficaram quatro (quase cinco) piotos lado a lado a lutarem pela liderança. Eram eles Power, Rahal, Montoya, Pagenaud e Kanaan.
Ryan Briscoe entrou imediatamente nas boxes para cumprir uma penalização. Ele foi declarado responsável pelo toque em Castroneves.

Simon Pagenaud e Carlos Muñoz (#26), este último a ser cauteloso no início, passavam pela frente.
Na volta 159, a má sorte de Ed Carpenter (#20) nas ovais este ano continuou. Na saída da curva 4, Carpenter subiu na pista e pareceu não ter visto Josef Newgarden (#67), o vencedor da última corrida, a tentar passar por fora. Ambos tocaram-se e acabaram ali a corrida.

Alguns pilotos aproveitaram a oportunidade para parar nas boxes, entre eles Will Power.

A corrida recomeçou na volta 168, com Carlos Muñoz e Marco Andretti lado a lado pela liderança. Rapidamente, Tony Kanaan juntou-se à festa.
Kanaan e Rahal trocavam a liderança, com Montoya, Power (a recuperar muito rapidamente da sua paragem nas boxes), Andretti, Karam, Sato e Dixon logo atrás em brasa.

foto: nextgenindy.com
foto: nextgenindy.com

Na volta 187 continuam as paragens de rotina. Graham Rahal parou na volta seguinte mas o mecânico na mangueira de combustível acabou à última hora por recolocar a mangueira, para fazer entrar mais um pouco de etanol. Rahal acabou por arrancar cedo demais e a mangueira partiu-se, com o bocal a ficar na entrada de combustível do carro. Esse bocal caiu para a pista e trouxe a terceira situação de bandeira amarela.
Rahal prosseguiu sem problemas.

Alguns pilotos ainda não tinham efetuado a paragem, casos de Power, Dixon, e Ryan Hunter-Reay (#28). Eles voltaram ainda nas primeiras posições porque vários carros que já tinham parado tinham perdido praticamente uma volta.
Outros pilotos pararam a seguir, ainda em bandeira amarela, como Sato (que precisou de reparações na secção traseira), e Pagenaud. As reparações de Sato fizeram-no perder uma volta.

Recomeço de corrida na volta 199, a 51 voltas do fim. Marco Andretti liderava na frente de Power, Montoya, Dixon, Ryan Hunter-Reay e Ryan Briscoe, que já tinha recuperado da volta perdida aquando da penalização.
Ryan Hunter-Reay finalmente chegava à liderança de uma corrida este ano a 50 voltas do fim. Hunter-Reay até agora teve uma temporada péssima.

Briscoe também passou pela frente e completava em grande estilo a sua recuperação.

A corrida subiu de nível, com quatro (e às vezes cinco) carros lado a lado em duas filas diferentes.
Andretti e Power foram os pilotos que se destacaram na frente do pelotão, com Graham Rahal a recuperar do seu problema nas boxes e a chegar ao 3º lugar.

A 30 voltas do fim sai mais uma bandeira amarela. Um toque entre Scott Dixon e Carlos Muñoz deixou peças em pista.
Toda a gente parou nas boxes para a última paragem de rotina da corrida. Power saiu na frente de Andretti, Rahal, Kanaan, Pagenaud e Briscoe.

foto: indycar.com
foto: indycar.com

Sem preocupações com pneus e combustível, a corrida recomeçou com 23 voltas para o fim. Power, Rahal, Kanaan, Pagenaud e Montoya lutavam que nem uns loucos pela liderança. Mais de 10 carros estavam dentro de um segundo.

Ryan Briscoe passou ao ataque a 16 voltas do fim e passou por Power e Kanaan, só que teve resposta imediata. Rahal aproveitou e fez logo quatro lado a lado pela liderança.
As mudanças de líder continuavam a acumular-se. Agora era Graham Rahal a atacar a liderança e a passar Briscoe.

Tanta excitação só poderia dar num acidente. A 10 voltas do fim, Takuma Sato saiu um pouco descompensado da curva 4 e ficou no meio de Will Power e Scott Dixon. Sato ficou sem espaço no meio deles, toca primeiro em Dixon, perde o controlo e leva Power consigo. Dois candidatos à vitória ficavam com os carros demasiado danificados para continuarem em prova. Dixon continuou sem problemas.

Com a corrida a poder terminar em bandeiras amarelas, a IndyCar decide mostrar a bandeira vermelha a cinco voltas do fim, para que houvesse a possibilidade de terminar a corrida em bandeira verde.

A bandeira verde é retirada, e são dadas duas voltas em bandeira amarela. Durante este período, Pagenaud, Andretti, Hunter-Reay e Karam decidem parar para colocar pneus novos.

A corrida recomeça a três voltas do fim. Rahal liderava com Kanaan, Montoya, Briscoe e Dixon em perseguição furiosa.
Marco Andretti, que tinha parado nas boxes, chegava já ao 3º lugar.

À entrada da última volta, Rahal era o líder, mas acontece um acidente violento mais atrás. Sage Karam toca em Ryan Hunter-Reay. Este fica descompensado, dá um ligeiro toque em Montoya mas acaba por tocar de forma violenta em Briscoe. Hunter-Reay e Briscoe vão para a relva, e o carro de Briscoe levanta voo e capota. Felizmente, Briscoe ficou bem.

foto in: tributeracing.com
foto in: tributeracing.com

Graham Rahal acaba por finalmente voltar a vencer uma corrida na IndyCar Series. A última vitória tinha acontecido em St. Petersburg, em 2008. Rahal esteve 125 corridas sem conhecer o sabor da vitória.
Tony Kanaan foi batido por Rahal e acabou em 2º. Marco Andretti ganhou muitas posições com pneus novos e chegou ao 3º lugar.

Juan Pablo Montoya terminou em 4º e alarga ainda mais a sua liderança do campeonato para o azarado Will Power, que ficou classificado em 19º.

Sage Karam, que também tinha parado nas boxes a cinco voltas do fim, conseguiu subir até ao 5º lugar. É o seu melhor resultado na sua carreira.

Scott Dixon foi 6º após uma corrida em que teve sorte por escapar a vários toques. James Jakes (#7) também surpreendeu ao chegar ao 7º lugar, com Charlie Kimball (#83) a passar discreto na corrida mas termina em 8º. Simon Pagenaud foi 9º e Jack Hawksworth (#41), também ele discreto na corrida, subiu ao 10º lugar.

Esta corrida teve 86 mudanças de líder, um novo recorde absoluto no campeonato. Apesar do espetáculo, os pacotes aerodinâmicos estão a aumentar bastante as velocidades, e vários pilotos exprimiram algum desconforto após a corrida com as velocidades elevadas e com o nível de risco que têm que passar para fazer ultrapassagens.

A próxima corrida será noutra oval, em Milwaukee.

 

Classificação final:

 

1 15 Graham Rahal Honda 250 Running
2 10 Tony Kanaan Chevrolet 250 Running
3 27 Marco Andretti Honda 250 Running
4 2 Juan Pablo Montoya Chevrolet 250 Running
5 8 Sage Karam (R) Chevrolet 250 Running
6 9 Scott Dixon Chevrolet 250 Running
7 7 James Jakes Honda 250 Running
8 83 Charlie Kimball Chevrolet 250 Running
9 22 Simon Pagenaud Chevrolet 250 Running
10 41 Jack Hawksworth Honda 250 Running
11 4 Stefano Coletti (R) Chevrolet 250 Running
12 26 Carlos Munoz Honda 250 Running
13 18 Pippa Mann Honda 250 Running
14 11 Sebastien Bourdais Chevrolet 250 Running
15 5 Ryan Briscoe Honda 249 Contact
16 28 Ryan Hunter-Reay Honda 249 Contact
17 19 Tristan Vautier Honda 246 Running
18 14 Takuma Sato Honda 241 Contact
19 1 Will Power Chevrolet 241 Contact
20 98 Gabby Chaves (R) Honda 237 Running
21 67 Josef Newgarden Chevrolet 161 Contact
22 20 Ed Carpenter Chevrolet 157 Contact
23 3 Helio Castroneves Chevrolet 136 Contact

 

Jorge Covas

Anúncios

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s