F1: Análise das equipas até agora: Force India

Force India: Ainda não é desta o salto

 

foto: Force India
foto: Force India

Cada vez que falamos da Force India no inicio do ano começamos esperançosos. Dizemos “é desta que a equipa dá o salto”, “é desta que o top 5 é uma realidade”. Nunca acontece. Normalmente a equipa começa bem o ano e depois vai perdendo gás à medida que o investimento no carro vai decrescendo. Este ano foi ao contrário. Os rumores que a equipa tinha falta de dinheiro e que a falência estava próxima pareciam reais quando a Force se apresentou no primeiro treino do ano com o carro do ano passado. E basicamente assim continuou até Silverstone, onde finalmente apresentou a versão melhorada do VJM08. A tão falada versão B do carro, já com as actualizações fruto do novo investimento da equipa, que mudou de túnel de vento, passando a usar o antigo túnel da Toyota, que foi utilizado no passado pela Ferrari.

No entanto, ainda que muito discretamente, notam-se melhorias graduais no carro e no ritmo imposto. A dupla de pilotos não dá problemas e é das melhores do grid e como tal basta fornecer o material necessário. E gradualmente isso vai acontecendo. Mas se a Force tivesse outra disponibilidade financeira, este ano poderia ameaçar a Red Bull . Será que ainda o conseguirá fazer? Não parece possível, até porque os Bulls vão continuar a trabalhar também mas, mais uma vez, fica a sensação de que se houvesse mais dinheiro as coisas podiam ser diferentes para  Force India. Não tem sido uma época excelente para a equipa, longe disso, mas parece estar lançada para uma confortável segunda volta. Serão capazes de tentar o assalto ao 4º lugar? Esperamos que sim. Há no entanto que ter cuidado. O carro mostrou fragilidades de construção preocupantes que precisam de ser revistas. Não se admite num fim de semana uma quebra num braço de suspensão e nos apoios da asa dianteira, como aconteceu na Hungria. Se querem ter os pilotos a 100%, têm de estar confiantes que o material aguenta.

 

foto: facebook Force India
foto: facebook Force India

Nico Hulkenberg é quanto a nós um excelente piloto. Dos melhores do grid. É um piloto que nos enche as medidas. Não é vistoso mas tem classe dentro e fora de pista. Andava perdido no inicio do ano, sem ritmo e sem motivação, mas a vitória nas 24h de LeMans trouxeram de volta o melhor de Hulk. Custa a entender como um piloto com tanta qualidade ainda não teve uma oportunidade numa equipa grande. E fala-se dele para a Haas. Mas qual Haas qual quê? Este homem merece uma equipa de topo. E quase que apostamos que quando lá chegar vai provar o seu valor. Mas para isso tem de chegar lá. E não parecem estar a ser feitos os esforços necessários para que isso aconteça. O seu agente deveria estar a trabalhar como um desalmado para conseguir a vaga na Ferrari, mas tal não parece estar a acontecer. Esperemos que Hulkenberg não seja daqueles pilotos que passam ao lado de uma grande carreira. Está mais próximo do que pode fazer, mas ainda assim, esperamos mais dele. Tem vindo a crescer e esperemos que assim continue. Até agora arrasou o seu colega de equipa nas qualificações o que mostra bem a sua rapidez, mas em corrida as coisas têm sido mais equilibradas. Tem de se destacar de vez de Pérez para dar nas vistas.

 

foto: Force India
foto: Force India

Sérgio Perez é um caso mais complicado. O mexicano tem um excelente “kit de unhas” e assim quisesse, podia ser dos melhores do grid. Mas insiste em ser inconstante. Teve muito azar na McLaren, pois entrou num ano de transição e teve à sua disposição um carro mau. Mas não conseguiu convencer os responsáveis da equipa e até Button não parecia ir com a cara de Checo… e Button parece ser um dos melhores pilotos para ser ter como colega de equipa. Parece-nos que dificilmente Checo irá voltar a ter lugar numa equipa de topo. Se mantiver este nível é certo que não conseguirá. Tem feito uma época à sua imagem. Inconstante, mas quando há um bom resultado em vista, está sempre na luta e geralmente consegue. Tínhamos tantas expectativas em relação a Pérez. Mas por enquanto, um ano positivo. Continua a falhar muito nas qualificações (um problema já antigo) mas não há como ele a poupar pneu, o que nestes tempos é um trunfo importantíssimo. Já não se vê tantas vez a faceta “Mad Checo” a tentar ultrapassagens impossíveis (e se calhar temos saudades disso) o que mostra que tem amadurecido.

Comparativo Hulkenberg  vs  Perez

Corrida: 4 -6

Qualificação: 8 – 2

 

Nico Hulkenberg: 9º lugar, 24 pontos

Nota:7

 

Sérgio Pérez: 13º lugar, 15 pontos

Nota: 6

 

Force India: 5º lugar, 39 pontos

Nota: 7

 

Análise de meio da época das equipas:

Análise Mercedes

Análise Ferrari

Análise Williams

Análise Red Bull

 

 

Fábio Mendes

6 pensamentos sobre “F1: Análise das equipas até agora: Force India

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.