DTM: Resumo das corridas de Oschersleben

Corrida 1

541758_730614546953573_662154787_nNo regresso à Alemanha, o DTM foi até ao técnico traçado de Oschersleben.

Timo Glock (#16) fez a pole no seu BMW, com Augusto Farfus (#18) em 2º. António Félix da Costa (#13) qualificou-se em 4º, atrás de Tom Blomqvist (#31), aproveitando muito bem o baixo peso de todos os BMW nesta corrida.

Na partida, Glock manteve a vantagem de partir da pole e passou imediatamente para o lado interior da pista para se proteger de Augusto Farfus e Tom Blomqvist, que lutavam pelo 2º posto, mas o brasileiro bloqueou rodas na curva 1, foi largo, juntamente com Blomqvist e, atrás deles, António Félix da Costa e Bruno Spengler (#7) aproveitaram para passar para 2º e 3º, respetivamente.

COtQPPEUkAAcsoeNa curva 1 houve mais confusão. Mike Rockenfeller (#99) bloqueou os travões do seu Audi quando lutava com Robert Wickens (#6) e bateu em Paul di Resta (#3) e no outro Audi de Jamie Green (#53), que fez um pião, que era também atingido por Wickens.
Ainda em resultado do pião, Green também bateu em Nico Müller (#51). Para o britânico, este abandono, consumado algumas voltas depois, é um golpe rude na luta pelo título.

Após quatro voltas atrás do Safety Car, seguiu-se novo recomeço. Glock liderava e Bruno Spengler era agora 2º porque tinha passado António Félix da Costa (#13) na curva 1, que não ofereceu muita resistência.
Robert Wickens (#6) perdeu o capô do seu Mercedes-Benz e deixou muitas peças na pista. Este era o resultado do seu toque em Green na curva 1, que o deixava fora de prova. Era a segunda e última intervenção do Safety Car.

À terceira foi de vez e a corrida foi até ao fom sem problemas. Timo Glock continuava na liderança com tranqulidade. Spengler era segundo e António Félix da Costa era 3º.
Spengler tentou acompanhar Glock mas o alemão aumentou o ritmo e ganhou uma vantagem que lhe dava alguma segurança até ao fim da corrida.

Mais atrás, Pascal Wehrlein (#94) lutava com Augusto Farfus e com Marco Wittmann (#1). Farfus foi embora e Wehrlein conseguiu defender-se muito bem de Wittmann para ganhar pontos importantes no campeonato.

Já perto do fim, Edoardo Mortara (#48) também abandonou com problemas no seu Audi, e também se atrasa um pouco no campeonato.

Timo Glock venceu a corrida, e assina a sua primeira vitória no DTM desde a segunda corrida em Hockenheim, em 2013.
Bruno Spengler foi 2º, e António Félix da Costa foi um solitário 3º classificado, para marcar o seu terceiro pódio esta temporada. Este foi um pódio totalmente BMW, com sete BMW nos 10 primeiros.

Augusto Farfus foi 4º, com Pascal Wehrlein em 5º, e a passar a ser o novo líder do campeonato, com Marco Wittmann em 6º, Tom Blomqvist em 7º, Martin Tomczyk (#77) em 8º, Miguel Molina (#17) em 9º e Daniel Juncadella (#12) em 10º.

Mattias Ekström (#5) partiu do último lugar após problemas na qualificação e ganhou 10 posições para terminar em 14º, mas mesmo assim fora dos pontos, e perde a liderança do campeonato para Wehrlein, tendo agora quatro pontos de atraso para o alemão.

Corrida 2

10352265_1004415402941877_363578127800700262_nPara esta segunda corrida do fim de semana, de 60 minutos e com uma paragem obrigatória, Augusto Farfus (#18) estava na pole, com Tom Blomqvist (#31) ao seu lado. António Félix da Costa (#13) era 4º, atrás de Pascal Wehrlein (#94), o líder do campeonato.

No arranque, Blomqvist foi mais forte e conseguiu chegar à curva 1 na frente de Farfus, e Félix da Costa passava Wehrlein para o 3º posto. Wehrlein cairia para o 5º lugar, passado também por Marco Wittmann (#1).
Logo na primeira curva, Christian Vietoris (#8) tocou em Miguel Molina (#17), que fez um pião. Nico Müller (#51) tentou evitar a confusão mas ficou preso na gravilha. O Safety Car entrava em pista.

No recomeço, Blomqvist rapidamente ganhou vantagem para Farfus, e Wittmann pressionava Félix da Costa no 3º lugar.

Mais atrás, a luta de candidatos ao título aquecia, para o 10º lugar, com Jamie Green (#53) a tirar Bruno Spengler (#7) da frente, e Mattias Ekström (#5) aproveitou para subir um lugar.
A pressão de Wittmann deu resultado e usou com bom efeito o DRS na reta oposta e passou para o 3º lugar, deixando Félix da Costa para trás. A partir daqui, o português teve que se defender de Wehrlein.

COxQ99WXAAAbzlmEdoardo Mortara (#48) voltou a perder pontos importantes no campeonato ao abandonar com problemas no seu Audi.

Até ao fim, a corrida foi quase uma procissão. Tom Blomqvist venceu pela primeira vez uma corrida no DTM.

Augusto Farfus foi 2º, e Marco Wittmann foi 3º.

António Félix da Costa aguentou a pressão de Pascal Wehrlein para terminar no 4º lugar, num bom fim de semana para o português.
Com Mattias Ekström fora dos pontos, em 11º, Wehrlein tem agora 14 pontos de vantagem para o sueco no campeonato.

Paul di Resta (#3) foi 6º, Timo Glock (#16), o vencedor de ontem, desta vez não foi além do 7º lugar, com Jamie Green (#53) a ter uma corrida difícil, mas a terminar no 8º lugar, somando quatro pontos.
Maxime Martin (#36) foi 9º e Bruno Spengler ficará desapontado com o 10º lugar.

COypfWHXAAAtyT8

A próxima jornada do DTM será em Nürburgring.

Jorge Covas

Um pensamento sobre “DTM: Resumo das corridas de Oschersleben

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.