F1 – GP da Rússia: Análise das equipas (Parte I)

Chegava a 15ª ronda do mundial de F1 e as expectativas dos fãs não eram elevadas. O palco era o circuito de Sochi e pela amostra do ano passado, não se esperava uma grande corrida. O traçado é algo aborrecido (como a maioria dos traçados “à lá Tilke”) e no ano passado deu-nos aquela que foi a pior corrida de 2014.

A pista tem um asfalto suave e os níveis de aderência tornam-se baixos, mais ainda depois de um derrame de gasóleo na sexta feira ter piorado a situação. Como se isso não bastasse choveu, o que basicamente estragou os planos das equipas na sexta feira. No sábado o tempo foi pouco para conseguir a melhor afinação, mas um Rosberg intratável conseguiu uma pole autoritária sem que o seu colega de equipa conseguisse responder à altura. Mais atrás, a Williams mostrava que podia fazer boa figura e a Ferrari tinha dificuldade em encontrar a afinação correcta. Mas na corrida tudo isto ficou virado do avesso e afinal a corrida foi emocionante.

 

 

Mercedes: “Won more time”

 

Foto: Mercedes
Foto: Mercedes

Tudo parecia encaminhado para que Rosberg apimentasse um pouco este campeonato com uma vitória. Ou pelo menos para que a luta Rosberg vs Hamilton fosse o prato forte da corrida, mas logo nas voltas iniciais o alemão ficou fora de prova.  Uma mola do acelerador do seu Mercedes resolveu “dar o berro” e complicar a vida ao piloto que se estava a defender muito bem de Hamilton. Com isso tornou-se presa fácil e o problema tornou o carro impossível de conduzir, levando à desistência de Nico. Foi o adeus já há muito anunciado ao titulo. Rosberg mostrou poucos argumentos para fazer frente a Hamilton mas quando mostrou que podia superar o colega de equipa, o azar bateu lhe sempre à porta. Um ano para esquecer. Já o Sr. “quase tri-campeão” Hamilton, esperava uma luta acesa pela vitória mas esta foi lhe entregue de bandeja e a confirmação do titulo deverá acontecer já em Austin. Mais um passeio cheio de classe do britânico, que nunca foi incomodado na frente. Com esta vitória (e a penalização de Kimi) a Mercedes sagrou-se bi-campeã de construtores. E deve-se realçar mais uma vez o trabalho de toda a equipa que criou um monstro de carro que não dá hipóteses a ninguém. Nota negativa… Rosberg perdeu o 2º lugar na geral para Vettel.

Lewis Hamilton: nota9

Nico Rosberg: Sem nota

Mercedes: nota 8

 

Ferrari: Vettel outra vez no pódio e um Kimi em modo Maldonado

Foto: Ferrari
Foto: Ferrari

O fim de semana nem começou nada bem para a Ferrari, que demorou em encontrar a afinação correcta para o carro, mas desta vez a Scuderia teve  sorte do seu lado. Vettel colocou muita pressão em Bottas e mais uma vez a Williams ficou a ver navios ao nivel da estratégia e como isso o alemão arrecadou a 2ª posição. A partir daí, alcançar Hamilton era tarefa impossível. Ainda lidou com Perez, mas a diferença de material e de pneus tornou a ultrapassagem relativamente simples. Uma corrida tipica de Vettel que menteve um ritmo alto e provou que para o ano se a Ferrari fizer um carro equivalente ao Mercedes, a luta Hamilton vs Vettel poderá ser muito interessante de seguir. Já Kimi foi outra vez destaque pelos piores motivos. Nunca mostrou andamento equivalente ao de Vettel e pior que isso, tentou o tudo por tudo numa manobra arriscada na última volta e atirou para fora de prova o seu compatriota Bottas. Uma manobra digna de Pastor Maldonado e algo surpreendente para um campeão do mundo. Ficou mal na fotografia e foi justamente penalizado em 20seg. caindo para o 8º lugar. De louvar ainda assim a postura do finlandês que não atrapalhou muito Vettel e deu-lhe espaço para passar. As vezes é preciso saber jogar em equipa e Kimi soube fazê-lo.

Sebastian Vettel: nota 8

Kimi Raikkonen: nota 5

Ferrari: nota 9

 

Force India: Checo o rei da poupança.

Foto: Force India
Foto: Force India

A subida de forma da Force India, com a chegada da nova versão do carro é evidente e mais uma vez a equipa surpreendeu toda a gente. Se Hulkenberg ficou fora de prova desde cedo, com um erro que provocou um pião, Pérez fez uma corrida espectacular. Manteve-se perto dos lugares da frente e quando o 2º SafetyCar entrou em pista, a estratégia agressiva da equipa fazia ver que era o “all in” da Force. Mas Checo é conhecido por tratar bem dos pneumáticos. Já o tinha conseguido no passado e a equipa pediu-lhe para repetir a façanha. O piloto fez tudo o que pôde e o esforçou compensou. Uma corrida impecável do mexicano, que por momentos viu todo o seu empenho ir por água abaixo, quando Bottas e Raikkonen passaram por ele, quando já tinha os pneus da frente “nos arames”. Mas o destino quis que os dois finlandeses se embrulhassem uns metros à frente e com isso Checo recebeu o prémio merecido… Subir ao pódio. Merecido para ele e para a equipa, que continua a mostrar como fazer muito com pouco. Somos cada vez mais fãs da Force India e festejamos este 3º lugar como se de uma vitória se tratasse. A equipa enfrenta dificuldades mas continua ambiciosa e mantém um par de pilotos de topo e uma equipa determinada em escrever o seu nome na história da F1.

Nico Hulkneberg: Nota 4

Sérgio Perez: Nota 9

Force India: Nota 9

 

Williams: E tudo o Kimi levou

Foto: Williams
Foto: Williams

Tinha tudo para ser um excelente fim de semana mas acabou mais uma vez com um sabor agridoce.  Na qualificação Bottas esteve irrepreensível e conseguiu mais uma vez o 3º posto, enquanto que Massa desiludiu. Na Corrida, Bottas esteve sempre em luta pelo pódio. O finlandês mostrou mais uma vez muita qualidade e que merece um carro candidato ao titulo mas no final, Raikkonen tirou-lhe o pão da boca e um pódio quase certo foi tirado de forma cruel. Uma tentativa suicida liquidou o esforçou de Bottas e deixou o piloto claramente agastado com a situação. Já Massa recuperou e de que maneira! Acabou em 4º uma corrida onde começou em 13º e apagou a má imagem da qualificação. Impôs um ritmo sereno e combativo, conseguindo pontos importantes para a Williams. Mas mais uma vez a equipa falhou na estratégia. Já não tem conta as vezes que se deixam antecipar nas paragens e a Ferrari já usou este truque pelo menos 3 vezes este ano, sem que a Williams reaja a tempo. Se Bottas tem entrado mais cedo e da forma como o carro se comportou durante o fim de semana, podia ter lutado pelo 2º lugar e não pelo 3º. A Williams tem muito a melhorar para voltar a ser uma equipa de topo.

Valtteri Bottas: nota 8

Felipe Massa: nota 8

Williams: nota 7

 

Fábio Mendes

Um pensamento sobre “F1 – GP da Rússia: Análise das equipas (Parte I)

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.