F1 – GP dos Estados Unidos: Hamilton cumpre o seu sonho

12046774_829776243809445_6775447234414316285_nMáquinas e pilotos deslocaram-se da Rússia para os Estados Unidos da América, até ao estado do Texas para mais uma corrida no Circuit of the Americas, em Austin e esta foi talvez a corrida mais interessante e imprevisível da temporada.

O furacão Patricia foi menos intenso do que era inicialmente previsto mas o estado do Texas, para além do México, recebeu muita chuva durante todo o fim de semana, com as condições na pista quase impraticáveis, que levou ao cancelamento da segunda sessão de treinos livres e ao adiamento da qualificação para domingo.
A qualificação teve apenas as duas primeiras sessões, com a terceira a ser cancelada por causa da chuva, que aumentou de intensidade.

Nico Rosberg (#6) partiu da pole per ter sido o mais rápido na Q2, com Lewis Hamilton (#44) ao seu lado na primeira linha da grelha. Hamilton estava determinado a assinar o seu terceiro título da carreira já em Austin.

12187651_963481140365042_9056346968599080769_n
Foto: Red Bull

No arranque para a corrida todos usaram pneus intermédios e a chuva tinha finalmente parado. Rosberg não conseguiu evitar o ataque de Hamilton até à curva 1. Depois de um pequeno toque, Hamilton passou para o comando, e Rosberg, que teve que sair de pista, caiu para 5º.
Na curva 1, Valtteri Bottas (#77) e Fernando Alonso (#14) tocaram-se, com o finlandês a fazer um pião e a ser obrigado a parar nas boxes, tal como Alonso. Felipe Massa (#19) também ficou com danos depois de tocar noutro carro.
Pouco depois, os dois Williams Mercedes acabaram por ficar fora de prova.

No final da primeira volta, Sebastian Vettel (#5), que começou em 14º depois de ter uma penalização por trocar de motor, era já 7º.

Na frente, Hamilton tentava controlar os dois Red Bull Renault de Daniil Kvyat (#26) e Daniel Ricciardo (#3). Kvyat até tentou passar Hamilton na curva 1, mas bloqueou uma roda e saiu demasiado largo.

Depois de um toque entre os dois Sauber Ferrari de Felipe Nasr (#12) e Marcus Ericsson (#9), o Safety Car Virtual foi ativado na volta 5 para limpar os detritos na curva 1.

Foto: Red Bull
Foto: Red Bull

Recomeço na volta 8, e Rosberg fez uma ultrapassagem questionável a Ricciardo para subir ao 3º posto. Rosberg colocou-se lado a lado ainda com o VSC ativo, e assim que a luz verde foi mostrada, passou para 3º.
Na curva 12 Rosberg passava Kvyat e já estava no 2º lugar.

Kvyat não desistiu e surpreendeu Rosberg na curva 20 mas, tal como aconteceu algumas voltas antes, não conseguiu travar a tempo e acabou por ir para a escapatória, perdendo duas posições.
Com Rosberg ainda a recuperar a compostura, Ricciardo usou o DRS até à curva 1 e passou para 2º, aproveitando um erro de Rosberg na travagem.

Ricciardo descolou de Rosberg, que tinha que lidar com Kvyat, e Ricciardo fez uma bela ultrapasagem entre as curvas 17 e 18 e assumia o comando da corrida.

Ricciardo distanciou-se de Hamilton, que decidiu parar para colocar pneus macios. Ricciardo parou depois e manteve a liderança. Rosberg e Kvyat pararam com Ricciardo e aproveitaram um erro de Hamilton na curva 1 para deixarem o britânico no 4º posto.

Hamilton aproximou-se novamente de Kvyat na volta 21 e atacou-o na curva 12, mas não conseguiu abrandar em tempo útil e saiu de pista, mas recuperou rapidamente.
Na volta seguinte, no mesmo ponto, Rosberg ultrapassava Ricciardo para a liderança e Hamilton deixava Kvyat para trás, ambos com a ajuda do DRS.

Foto: Ferrari
Foto: Ferrari

Kvyat pareceu um pouco distraido e cedeu o 4º posto a… Sebastian Vettel, que se tinha livrado de uma luta intensa pelo 5º posto.

Com os pneus slick, os Mercedes-Benz estavam a andar muito depressa. Na volta 26 foi a vez de Ricciardo ceder a posição a Hamilton. O britânico era 2º e estava concentrado em reduzir a diferença para Rosberg, que era mais de 5 segundos.

Marcus Ericsson ficou parado em pista na volta 32 e o Safety Car entrou em pista.
Neste período os Mercedes-Benz optaram por não parar e pareciam estar em desvantagem, porque os rivais colocaram pneus médios novos.

Recomeço na volta 33, com os Mercedes-Benz a terem que aumentar imediatamente o ritmo de corrida para tentarem ganhar vantagem e terem tempo de fazerem mais uma paragem e manterem-se na frente do pelotão.
Vettel atacou os Red Bull à frente e levou apenas uma volta para conseguir elevar-se ao 3º lugar.

Kvyat tinha caido para o 7º lugar depois de cometer um erro ao defender-se de Vettel, e Ricciardo era posto no 5º lugar e estava a ser atacado pelo Force India Mercedes de Nico Hülkenberg (#27), mas o alemão tentou ultrapassar o Red Bull na curva 12 e acabou por dar-se mal. Houve um contacto suficiente para danificar a sua suspensão, e o australiano também ficava com danos.
Com Hülkenberg parado fora da pista foi ativado o VSC pela segunda vez na volta 37.

Neste período, Rosberg conseguiu perder menos tempo na sua paragem nas boxes e caiu para 4º, atrás de… Max Verstappen (#33), Sebastian Vettel e Lewis Hamilton.

O VSC acabou pouco depois e Rosberg não perdeu tempo em passar Verstappen e Vettel para ascender ao 2º lugar.

Foto: McLaren
Foto: McLaren

Daniil Kvyat tinha parado nas boxes, tal como Ricciardo, e caiu para 10º, até que cometeu um erro na curva 19, ao passar sobre a relva ainda molhada e bateu na barreira, acabando ali a corrida.
Pela terceira vez o VSC estava ativado para remover o Red Bull.
Neste período, Hamilton parou nas boxes e caiu para 2º, atrás de Rosberg. Vettel também parou e caiu para 4º, atrás de Verstappen.

No recomeço, na volta 47, Rosberg continuava na liderança, e lá ficou até à volta 48, quando cometeu um erro na saída da curva 16, ao passar numa zona molhada. Rosberg teve uma saída de pista e cedeu imediatamente a liderança para Hamilton.

Vettel livrou-se de Verstappen e procurava chegar-se a Rosberg, que era incapaz de acompanhar Hamilton. Vettel tentou desesperadamente impedir o terceiro título de Hamilton, e para isso tinha que chegar ao 2º lugar, mas o seu esforço foi infrutífero.

Até ao fim a luta pelo 5º lugar animou bastante, com Jenson Button (#22) a levar a melhor de forma algo surpreendente no seu McLaren Honda durante alguns momentos, até que foi posto para trás pelos dois Toro Rosso Renault e por Sergio Pérez (#11).

12038517_10153131012007411_6664989280159779654_nLewis Hamilton assinou a sua 10ª vitória esta temporada, e ao fazê-la sagrou-se novamente campeão. É o terceiro título da carreira do britânico, que iguala nomes como Nelson Piquet, Niki Lauda, Jack Brabham, Jackie Stewart e o seu ídolo de infância, Ayrton Senna.
Este título de Hamilton é inteiramente merecido, depois de uma temporada em que esteve num nível muito superior aos rivais.

Nico Rosberg foi 2º e Sebastian Vettel completou uma boa recuperação para terminar no 3º lugar. Ambos ficaram desapontados por não terem conseguido impedir a festa de Hamilton e adiá-la para, pelo menos, a próxima corrida.

Max Verstappen foi 4º depois de uma corrida muito inspirada por parte do jovem holandês da Toro Rosso (Renault).

Sergio Pérez conseguiu um bom resultado, com o 5º lugar, com Carlos Sainz, Jr. (#55) a terminar em 6º, depois de ter destruido o Toro Rosso na qualificação.

Jenson Button foi 7º, mostrando que a McLaren e a Honda estão a fazer melhorias, Pastor Maldonado (#13) foi o único Lotus Mercedes a chegar ao fim, no 8º lugar, Felipe Nasr, depois de todos os problemas, ainda foi a tempo de terminar em 9º e Daniel Ricciardo (#3) teve problemas na fase final da corrida e, depois de uma paragem, foi apenas 10º.

Apenas 12 carros terminaram a corrida, com Fernando Alonso a ficar fora dos pontos com problemas na unidade de energia do seu McLaren, e Alexander Rossi (#53), o novo recruta da Manor Marussia Ferrari desde o GP de Singapura, esteve à beira de terminar nos pontos na sua corrida caseira, mas o 12º lugar não é mau. Apesar de ter sido o último classificado, conseguiu ir mais longe do que muita gente neste dia.

Com Hamilton a celebrar o título, máquinas e pilotos vão fazer uma curta viagem até ao Circuito Hermanos Rodríguez, para o regresso do Grande Prémio do México, pela primeira vez desde 1992.

 

Classificação final:

POS. DRIVER COUNTRY TEAM TIME POINTS
1 LEWIS HAMILTON GBR MERCEDES 1:50:52.703 25
2 NICO ROSBERG GER MERCEDES +2.850s 18
3 SEBASTIAN VETTEL GER FERRARI +3.381s 15
4 MAX VERSTAPPEN NED TORO ROSSO +22.359s 12
5 SERGIO PEREZ MEX FORCE INDIA +24.413s 10
6 JENSON BUTTON GBR MCLAREN +28.058s 8
7 CARLOS SAINZ ESP TORO ROSSO +30.619s 6
8 PASTOR MALDONADO VEN LOTUS +32.273s 4
9 FELIPE NASR BRA SAUBER +40.257s 2
10 DANIEL RICCIARDO AUS RED BULL RACING +53.371s 1
11 FERNANDO ALONSO ESP MCLAREN +54.816s 0
12 ALEXANDER ROSSI USA MARUSSIA +75.277s 0
NC DANIIL KVYAT RUS RED BULL RACING DNF 0
NC NICO HULKENBERG GER FORCE INDIA DNF 0
NC MARCUS ERICSSON SWE SAUBER DNF 0
NC KIMI RÄIKKÖNEN FIN FERRARI DNF 0
NC FELIPE MASSA BRA WILLIAMS DNF 0
NC ROMAIN GROSJEAN FRA LOTUS DNF 0
NC VALTTERI BOTTAS FIN WILLIAMS DNF 0
NC WILL STEVENS GBR MARUSSIA DNF 0

Jorge Covas

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.