WTCC – Os circuitos

O calendário do mundial de turismos será provavelmente um dos melhores no que diz respeito à diversidade e qualidade das pistas. Claro que faltam muitas das nossas pistas preferidas mas o alinhamento dos circuitos escolhidos é muito interessante e vale a pena conhecer um pouco melhor os 12 traçados que vão receber o WTCC.

 

#1 – Paul Ricard, França.

wtccCriado em 1969, o circuito Paul Ricard, situado em Le Castellet, nos arredores de Marselha, tem uma história rica. Para além do WTCC já recebeu o MotoGP, o FIA GT e foi palco também da F1. A recta Mistral é a parte mais carismática do circuito, com o comprimento de 1.8Km. Depois de uma profunda remodelação, Paul Ricard é agora um dos circuitos mais modernos e seguros do mundo, sendo frequentemente usada para testes em várias categorias.  O WTCC usa a configuração mais curta do circuito, com 3.841 Km. Sebastien Loeb detém o recorde em qualificação com 1:29:245 e Pechito Lopez a melhor volta em corrida com 1:31:148. A pista tem duas travagens fortes e as restantes curvas são médias e rápidas, o que torna o circuito fluido. As duas rectas favorecem quem tiver mais potência no motor mas a secção sinuosa no sector 2 é um teste à qualidade do chassis.

#2 – Slovakia Ring, Eslovénia

6-Slovakiaring-white-1024x641É uma das pistas mais recentes no calendário do WTCC. Inaugurada em 2009, já foi palco de provas do FIA GT, ADAC GT Masters, Blancpain Series e recebe o WTCC desde 2012. Fica situada perto de Bratislava, mais concretamente a 30 km da cidade. É uma pista bastante sinuosa mas com curvas médias de rápidas. Embora não seja uma das melhores pistas do calendário (na nossa opinião), tem características interessantes e ao contrário da maioria das pistas recentes, não tem curvas demasiado fechadas. O recorde em qualificação está entregue a Pechito Lopez, com o tempo de 2:03:738 e o recorde em corrida pertence a Tarquini, com 2:05:748. A pista tem o comprimento de 5.922km.

#3 – Hungaroring, Hungria

52É a única pista do calendário do WTCC que ainda recebe actualmente a F1. A pista húngara teria sempre de fazer parte do calendário pela Zengo e principalmente por Michelisz, que é muito aclamado no seu pais natal. Inaugurada em 1986, já recebeu a F1, o DTM, o WSR e o FIA GT. A pista recebe o WTCC desde 2011 e tem proporcionado excelentes corridas ao longo o do tempo. Yvan Muller é o especialista deste traçado de 4.381Km, tendo em seu nome o recorde de pista (1:48:727) e o recorde em corrida (1:50:119).

 

#4 – Circuito Moulay El Hassan, Marrocos

plan1É um dos circuitos que mais curiosidade suscita em 2016. O traçado foi completamente revisto pelo famoso Hermann Tilke e o que era um circuito citadino, passou a ser uma pista semi-permanente. Aquela que era uma das pistas mais aborrecidas do calendário, com longas rectas, chicanes apertadas e correctores demasiados altos, poderá ganhar um novo interesse com este configuração completamente revista, que parece ser mais desafiante e interessante do que a anterior. Se até ao ano passado bastava ter um bom motor e uma boa tracção, esta nova configuração vai exigir mais das máquinas e dos pilotos. A pista recebe o WTCC desde 2009, com um intervalo em 2011, mas será em 2016 que o circuito dará um passo importante para o seu futuro. O novo traçado de 3 km será colocado à prova em Maio e ainda não há referências ao nível de tempo. Na anterior configuração, Pechito Lopez era dono dos recordes em qualificação e em corrida.

 

#5 – Nürburgring – Nordshleife, Alemanha

nordFoi uma das grandes novidades de 2015 e em 2016 estará novamente presente. O “Inferno Verde” dispensa apresentações e reúne os ingredientes todos que uma pista deve ter. O traçado é complicado, longo, estreito, com pontos de travagem dificeis de gerir, muitas diferenças de elevação… É o grande desafio para os pilotos que têm de memorizar uma pista enorme e com características muito distintas de sector para sector. Os 25Km do mítico traçado deram excelentes corridas em 2015, embora a saber a pouco, com apenas 3 voltas a serem dadas ao circuito. José Maria Lopez detém o recorde em qualificação (8:37:327) e o recorde em corrida (8:40:688). É claramente uma das provas mais esperadas do ano pela exigência nas máquinas e nos pilotos. Ao nível dos carros, ter uma boa afinação é fundamental, para poder enfrentar a sucessão alucinante de curvas mas um motor potente é essencial para ganhar vantagem  na monstruosa recta final. No ano passado vimos os Honda a segurarem os Citroen mas a não terem a mínima hipótese na recta.

#6– Moscow Raceway, Rússia

russInaugurada em 2012, a pista pretendia ser o palco preferencial para receber as grandes provas do desporto motorizado na Rússia, tendo como grande objectivo receber a F1. No entanto o sonho da F1 nunca se realizou, recebendo ainda assim provas de grande gabarito como o DTM, o WSR, as SuperBikes e o WTCC. A vontade dos organizadores era que este ano a corrida russa tivesse lugar em Sochi, o novo circuito russo, mas divergências levaram a que a Moscow Raceway fosse de novo a escolhida para receber o mundial de turismos. Em casa da Lada, quem tem dominado é a Citroen com Yvan Muller a ter o recorde em qualificação (1:37:900) e Pechito Lopez a ter o recorde em corrida (1:40:148) da pista com 3.931Km. Não é uma pista que nos agrade muito e até nos parece ser a menos interessante do calendário. A grande recta antes da meta é um dos pontos mais conhecidos do circuito mas não é uma pista que nos faça sorrir muito. É uma questão pessoal é certo.

 

#7– Circuito de Vila Real, Portugal

8-VilaReal-whiteFoi a segunda grande novidade de 2015. Depois de Nordshleife, Vila Real era alvo de todas as atenções e o histórico circuito voltava assim a ribalta. Com um traçado diferente daquele que lhe valeu o titulo de melhor circuito europeu nos anos 60/70, Vila Real voltou a entrar para a história. O traçado de 4.775 Km que percorre as ruas da cidade transmontana, encantou pilotos e responsáveis ao ponto de chamarem  Vila Real de “mini Macau”. Nós não gostamos desse nome, pois a identidade do Circuito é tão grande que não se coaduna com comparações, embora neste caso seja uma comparação muito elogiosa. O grande segredo de Vila Real? A paixão das suas gentes pelas corridas, algo que foi bem visível pela afluência de público. Se por um lado foi pena perder a Boavista, a entrada de Vila Real encantou tudo e todos e quem sabe poderá estar aqui o futuro grande palco a nível internacional. Os recordes pertencem ao suspeito do costume… Pechito Lopez que fez 1:58:515 em qualificação e 2:00:873 em corrida. O traçado caracteriza-se pela fluidez e rapidez, com curvas médias e rápidas, com o principal destaque a ir para as curvas depois da recta de Mateus. Um teste à estabilidade das máquinas e à coragem dos pilotos. No ano passado foram várias as queixas por causa das exageradas chicanes que a FIA impôs. Este ano esperemos que a FIA arrisque um pouco mais e não estrague aquele que é o melhor circuito do calendário, com chicanes absurdas.

#8 – Termas Rio Hondo, Argentina

1-Termas_de_rio_hondo-white-1024x724A presença do WTCC no traçado argentino ainda não está confirmada, mas é provável que se chegue a um entretenimento até a data do evento.  Inaugurado em 2007, o traçado já passou por uma reestruturação onde foram alteradas algumas partes da pista, sendo a mudança mais drástica as curvas que precedem a actual recta da meta (o que era antes apenas uma curva tornou-se numa sucessão de 4 curvas até a maior recta da pista). O traçado recebe o WTCC o MotoGP e o campeonato argentino de turismos. O herói local, Pechito Lopez é o piloto que mais vitórias tem neste circuito no WTCC e o que detém os recordes em qualificação (1:43:766) e de corrida (1:45:926) dos 4.860Km de asfalto argentino. É um traçado bem ao estilo do que são as pistas do WTCC… fluido com curvas médias e rápidas. Daquelas pistas boas de se fazer.

#9 – Twin Ring Motegi, Japão

Sem Títulocircuito construído pela Honda em 1997, foi feito com o intuito de receber a Indycar Series. O circuito tem o nome de Twin Ring, por ter dois traçados: um com formato oval e outro com um layout “convencional”, onde correm os WTCC. Os 4.8 Km foram também uma novidade no ano passado, pois nunca o WTCC tinha corrido nesta pista. Outras competições como o MotoGP, os Super GT e a Super Formula correram no circuito. Quanto aos mais rápidos desta pista… Não, não foram os Citroen! A Honda dominou em sua casa, com Michelisz a ter o recorde em qualificação (1:55:596) e Tarquini e a ter a volta mais rápida em corrida (1:57:136). A pista apresenta 5 rectas e um conjunto de curvas essencialmente médias e lentas que colocam à prova o chassis e a tracção dos carros.

 

 

#10 – Circuito de Shangai, China

Sem TítuloO circuito Internacional de Shangai, concluído em 2004 para receber a F1, tem alargado os seus “préstimos” a outras competições tais como o WEC e o MotoGP entre outras. É um circuito caracterizado por longas rectas e curvas em apoio. O traçado usado pelo WTCC será mais curto em relação ao que é usado na F1, pelo limite bem mais baixo de km percorridos por prova (60km no WTCC). Ainda assim, os carros passam pela longa recta que é um dos pontos mais conhecidos do circuito. O WTCC visita a China desde 2011 e quem tem dominado os 4.603Km tem sido, como seria de esperar, a Citroen com Lopez a ter a volta recorde em qualificação ( :48:782) e o homem da casa Ma Qing Hua, com a melhor volta em corrida (1:50:833).

 

 

#11 – Circuito Internacional de Chang, Tailândia

11-Buriram-white-1024x525Outra das novidades introduzidas em 2015 e que se espera esteja presente em 2016, embora ainda não esteja confirmado é o circuito tailandês de Chang. O circuito foi inaugurado em 2014 e como tal é facilmente o mais recente de todos os que compõem este calendário. Recebe o WTCC, as SuperBikes, a série asiática do TCR. Com um comprimento de 4.554Km, a prova tem como particularidade decorrer já com o sol a pôr –se no horizonte. Pechito foi o mais rápido em qualificação (1:37:916) e Tarquini o mais rápido em corrida (1:39:274).

 

 

 

# – 12 Circuito Internacional de Losail, Qatar

12-Losail-white-1024x739Num calendário completamente revisto em 2015, Losail foi uma das grandes surpresas. Isto pela novidade de ter sido a primeira prova do WTCC feita de noite, com luz artificial. O circuito de Losail foi inaugurado em 2004 e recebe desde esse ano o MotoGP. A pista tem o comprimento de 5.380Km e recebeu no ano passado o final da época do WTCC. Pechito ficou com o recorde em qualificação (2:00:947) e em corrida (2:01:628).

 

 

 

 

 

Fábio Mendes

Chicane para o CIVR Chicane logo CIVR logo

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.