MotoGP – Gran Premio Motul de la República Argentina (resumo da prova)

A segunda prova do MotoGP passou-se em Termas de Río Hondo, na Argentina.

Os treinos livres ficaram marcados por um incidente que envolveu Scott Redding (#45). O britânico teve uma falha no pneu traseiro (médio), mas este não chegou a perder ar, ficando apenas sem a carcaça, mas por questões de segurança a Michelin tomou a decisão prudente retirar o composto médio e substituiu pelo pneu de reserva, um pneu extra duro, que era mais seguro numa pista que é muito abrasiva e que provoca grande desgaste nos pneus.

Marc Márquez (#93) assinou a pole position, apesar de ter caído duas vezes na curva 1 com a sua Honda. O espanhol bateu um muito satisfeito Valentino Rossi (#46), que foi 2º na sua Yamaha, e Jorge Lorenzo (#99), o vencedor no Qatar, teve um fim de semana um pouco complicado mas acabou por fazer o 3º melhor tempo.
Na segunda linha ficaram Daniel Pedrosa (#26) e as duas Ducati oficiais de Andrea Dovizioso (#04) e Andrea Iannone (#29).

Para a corrida, e tendo em conta o receio de problemas de pneus, a corrida foi disputada em piso seco, e como tal tivémos 20 voltas e uma paragem obrigatória para troca de mota nas voltas 9, 10 e 11. Nestas condições, praticamente todo o pelotão usou um novo pneu traseiro médio, mas este pneu era um pouco mais seguro do que a versão anterior que deu problemas.

12919639_1090768734313134_1896633972278772644_n
foto: Yamaha

No arranque, Márquez arrancou mal e quase que caía na curva 1 quando Iannone se meteu por dentro e lhe deu um toque. Rossi perdeu algumas posições e Lorenzo fez uma trajetória cruzada que lhe permitiu passar de 3º para 1º, mas Dovizioso em reta, a caminho da curva 5 ignorou Lorenzo e passou a ser o novo líder, com Rossi a atacar na curva 5 e a passar para 2º. Lorenzo perdeu na primeira volta mais posições para Márquez, Maverick Viñales (#25) e Iannone.
Quem teve um início horrível foi Dani Pedrosa, que caiu de 4º para 15º.

Rossi foi pressionando Dovizioso, mas na volta 3, Márquez tirou o italiano na sua frente na curva 5, e depois passou Dovizioso na curva 13. Na volta seguinte, “Dovi” respondeu na reta interior, só que Márquez travou muito tarde e manteve a posição, e na saída da curva 5 foi a vez de Rossi passar Dovizioso e subir ao 2º lugar, tentando manter contacto com Márquez.

Dovizioso tinha mais uma batalha em mãos, agora com Iannone, e Viñales, ao tentar aproveitar a escaramuça das Ducati, quase que saída da pista na curva 1 na volta 6. Mas segundos depois, nessa volta, na saída da curva 1, Jorge Lorenzo sofreu um “low side” e caiu, ficando fora de prova. Não foi um bom fim de semana para Lorenzo.

marc-marquez-se-lleva-la-pole-en-el-gp-de-argentina-con-caida-incluida-201626946_1Márquez e Rossi mantinham-se separados por menos de um segundo, e ambos já tinham quatro segundos de vantagem para as duas Ducati e Viñales, e no 6º lugar já vinha Pedrosa, mas este já muito afastado. Ainda assim a tentar minimizar os estragos de um mau arranque.
Pouco depois, Viñales conseguiu passar as Ducati e Rossi, em aceleração, conseguiu bater a Honda de Márquez na reta interior mas travou demasiado tarde para a curva 5 e teve que devolver a posição.

Na volta 9, entre os líderes, Viñales e Iannone foram os primeiros a trocar de mota. Entretanto, Rossi voltava a atacar Márquez mas travou demasiado tarde de novo para a curva 7 e voltou a ceder a posição. No final da volta 10, ambos (juntamente com Dovizioso) entraram para as boxes, e Márquez foi ligeiramente mais rápido a sair.
O espanhol decidiu atacar ao máximo assim que saiu das boxes e ganhou cerca de três segundos para Rossi, que tinha algumas dificuldades em adaptar-se rapidamente à sua segunda mota.

Volta após volta, Márquez foi alargando a sua distância, ao ritmo de um segundo por volta, mas a preocupação de Rossi era agora Maverick Viñales, que estava rapidamente a ganhar terreno, e o espanhol trazia Dovizioso e Iannone consigo.
Viñales decidiu fazer um ataque a caminho da curva 5, a cinco voltas do fim, mas Rossi travou tarde e manteve a posição. Infelizmente para o espanhol, o seu esforço foi em vão. Quando Iannone se mostrou na curva 1, na volta 16, Viñales alargou ligeiramente a trajetória, passou por uma parte mais molhada e caiu. Fim da linha para Viñales, e Iannone passou a ser 3º.

Iannone colou-se a Rossi a duas voltas do fim, atacou na curva 5, ambos alargaram muito a linha e Dovizioso foi muito inteligente e passou-os na saída da curva. Em 100 metros, Dovizioso passou de 4º para 2º.

Até ao fim, Rossi tentou pelo menos o lugar mais baixo do pódio. Valentino voltou a tentar passar na curva 7 mas Iannone fez-lhe a tesoura.
De repente, Iannone viu uma oportunidade de passar Dovizioso para a curva 13 mas a manobra era demasiado ambiciosa. Iannone perdeu aderência na frente e levou o seu companheiro de equipa consigo para o chão. Momento inacreditável para a Ducati, e sem dúvida que Iannone vai levar um grande puxão de orelhas da equipa. Dovizioso levou a sua Ducati a pé para terminar em 13º, Iannone nem se classificou.

Com isto, Marc Márquez foi o grande vencedor, e a sua primeira vitória da temporada também o faz subir para a liderança do campeonato, com 41 pontos, mais oito que Rossi.

Valentino Rossi acabou por ter um segundo lugar caido do céu, e Dani Pedrosa também foi um grandes beneficiados pelo desastre das Ducati, ao acabar no lugar mais baixo do pódio.

Eugene Laverty (#50) fez uma grande prestação com a Ducati da equipa Aspar, terminando no melhor resultado da carreira, num 4º lugar, batendo outra Ducati, de Héctor Barberá (#8).

Pol Espargaró (#44) foi 6º com a Yamaha, perdendo duas posições na última volta, Stefan Bradl (#6) fez o melhor resultado desde que a Aprilia regressou ao MotoGP, com o 7º lugar, na frente da Yamaha de Bradley Smith (#38).
Esteve Rabat (#53) terminou num excelente 9º lugar com a Honda da Marc VDS, e Álvaro Bautista (#19) colocou a outra Aprilia no 10º lugar.

Na classe de Moto2, Johann Zarco (#5) (Kalex) foi o vencedor, e assinou a sua primeira vitória como campeão em título. Nesta corrida, Miguel Oliveira (#44) (Kalex) teve uma corrida mais complicada e não foi além do 21º lugar.
Em Moto3, vitória inesperada de Khairul Idham Pawi (#89) (Honda), que se tornou no primeiro piloto da Malásia a vencer no Mundial de Velocidade.

1. Marc Marquez Repsol Honda Team
2. Valentino Rossi Movistar Yamaha MotoGP
3. Dani Pedrosa Repsol Honda Team
4. Eugene Laverty Aspar MotoGP Team  
5. Hector Barbera Avintia Racing 
6. Pol Espargaro Monster Yamaha Tech 3  
7. Stefan Bradl Factory Aprilia Gresini
8. Bradley Smith Monster Yamaha Tech 3
9. Tito Rabat Estrella Galicia 0,0 Marc VDS  
10. Alvaro Bautista Factory Aprilia Gresini
11. Aleix Espargaro Team Suzuki Ecstar  
12. Michele Pirro Octo Pramac Yakhnich  
13. Andrea Dovizioso Ducati Team
 

Desistiram
Andrea Iannone Ducati Team  
Cal Crutchlow LCR Honda  
Maverick Viñales Team Suzuki Ecstar
Scott Redding Octo Pramac Yakhnich  
Loris Baz Avintia Racing
Jorge Lorenzo  Movistar Yamaha MotoGP  
Jack Miller Estrella Galicia 0,0 Marc VDS
Yonny Hernandez Aspar MotoGP Team  

Da Argentina o campeonato segue para norte, a caminho do Circuit of the Americas, nos EUA.

Jorge Covas

Um pensamento sobre “MotoGP – Gran Premio Motul de la República Argentina (resumo da prova)

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.