NASCAR Sprint Cup Series – Food City 500

A “short track” de Bristol, uma das pistas clássicas e mais espetaculares do campeonato, recebeu aquela que foi a oitava corrida pontuável para o campeonato NASCAR Sprint Cup Series.

Os Toyota da Joe Gibbs Racing dominaram a qualificação, colocando os quatro carros nos cinco primeiros, com Carl Edwards (#19) a fazer a pole position, a segunda consecutiva, com Matt Kenseth (#20) ao seu lado.
Na segunda linha ficaram Joey Logano (#22), que se colocou entre os Toyota, e Denny Hamlin (#11).
Os candidatos à vitória preocuparam-se em fazer boas ou razoáveis qualificações, exceto Dale Earnhardt, Jr. (#88), que arrancou do 20º lugar, e Kurt Busch (#41) apenas em 26º.

Na partida, Edwards não teve problemas em manter a liderança mas para Earnhardt, Jr. as coisas ficaram muito más. O seu carro simplesmente não acelerou e Dale veio logo para as boxes. Assim, a sua corrida começou com duas voltas de atraso.

Na fase inicial da corrida, Logano estava ao ataque e ganhava muito tempo no tráfego. Depois de passar Kenseth quando este teve dificuldades em passar um carro mais lento, e na volta 37 deixou Edwards para trás ao passá-lo por fora nas curvas 3 e 4.
A sua liderança durou… por poucos segundos. Edwards foi para a parte de cima da pista e retomou a liderança mas também não se manteve por muito tempo. Com o tráfego, Kenseth conseguiu forçar Edwards a ir para baixo e, ao fim de algumas voltas, o #19 tomou uma atitude sensata e caiu para 4º, atrás de Kyle Busch (#18), percebendo que não valia a pena forçar muito na fase inicial.

Na volta 52, Kyle Busch furou um pneu e bateu no muro nas curvas 1 e 2. O toque não foi tão violento porque Kyle estava junto ao muro, e Edwards foi rápido a evitar um acidente.
Todos os pilotos pararam, à exceção de Earnhardt, Jr., com o melhor a saída a ser Kenseth, na frente de Edwards.
Jimmie Johnson (#48) e Brad Keselowski (#2) excederam a velocidade limite nas boxes e arrancaram no final do pelotão.

Recomeço na volta 59. Kenseth arrancou bem e Hamlin passou rapidamente para o 2º lugar e atacou Kenseth.

Nova bandeira amarela na volta 70. Ricky Stenhouse, Jr. (#17), que até se dá bem nesta pista, fez um pião. Felizmente o toque que Chris Buescher (#34) lhe deu não causou demasiados estragos.

Recomeço na volta 78, com Kenseth a liderar, ajudado por Martin Truex, Jr. (#78), que o empurrou. Truex, Jr. ficou em 2º e não descolava de Kenseth.

Joey Logano sofreu um contratempo na volta 107, com um problema no pneu dianteiro-direito. Para piorar as coisas um dos mecânicos deixou fugir um pneu e Logano foi penalizado. Este episódio colocou-o em 38º, com duas voltas de atraso.

Foto: Matt Sullivan

 

Kyle Busch voltou a ter problemas. Ao travar para evitar bater no seu irmão Kurt, levou um toque de Chris Buescher e fez um pião. Bandeira amarela na volta 116.
Nova corrida às boxes com Kenseth a sair outra vez na frente, com Paul Menard (#27) em 2º, a trocar apenas dois pneus.

Bandeira verde na volta 122 com Menard imediatamente a afundar-se na classificação e Kenseth ainda na liderança, seguido por Edwards, e Kyle Larson (#42), que gosta desta pista mas que se tinha qualificado apenas em 25º, já vinha no 3º lugar.
Infelizmente, a recuperação de Larson iria acabar muito cedo, porque na volta 147 partiu a barra estabilizadora e foi para a garagem para reparar o seu Chevrolet.
Os líderes optaram por não parar. Os pilotos fora do Top 10 entraram nas boxes para colocarem borracha nova.

Bandeira verde na volta 155. Kenseth continuava tranquilo na frente, agora perseguido por A. J. Allmendinger (#47), que estava a fazer uma bela corrida.

Edwards subiu rapidamente ao 2º lugar e pressionou Kenseth. A sua pressão era tão intensa, sobretudo no meio do tráfego que resultou num furo e numa ida ao muro na curva 2, na volta 187, resultando numa bandeira amarela. Tal como Kyle Busch, Kenseth pôde prosseguir sem problemas porque o toque não foi forte.
Nas boxes, Paul Menard voltou a arriscar e trocou novamente dois pneus, saindo na frente de Edwards.
Kyle Busch foi penalizado por excesso de velocidade e Denny Hamlin teve que parar novamente porque bateu em Brian Scott (#44) nas boxes e teve que reparar os danos na frente.

Recomeço na volta 194. Menard, por fora, deu mais luta a Edwards, mas ficou lado a lado apenas duas voltas. Como Menard até andava a bom ritmo, Edwards esticou a sua diferença para um segundo quando Kevin Harvick (#4) subiu ao 2º lugar.

Mais uma bandeira amarela, na volta 219. David Ragan (#23) partiu o motor e encostou rapidamente para fora da pista.

A corrida recomeçou na volta 227 com Edwards a manter o controlo das operações e Ryan Blaney (#21), destemido, a não dar hipótese a Kevin Harvick. O “rookie” estava inspirado com um Ford muito equilibrado e ascendeu ao 2º posto.
Edwards tentou descolar de Blaney e, vendo a diferença a aumentar, Harvick passou por Blaney e ia à caça do líder quando se atingia o final da primeira metade a corrida.

A sétima bandeira amarela surgiu na volta 260. Pela terceira vez, Kyle Busch teve problemas, novamente nas curvas 1 e 2, ao rebentar novamente um pneu. Agora o impacto foi mais forte e danificou a suspensão, e ainda deixou muito óleo na pista. Uma corrida azarada para o campeão, que foi para as garagens durante algum tempo.
Corrida às boxes e Edwards foi o primeiro a sair, por muito pouco, sobre Jimmie Johnson, que ganhou uma posição e passou de 3º para 2º.
Quatro pilotos não pararam, com Landon Cassill (#38) a ser o novo líder, seguido por Ty Dillon (#14), Greg Biffle (#16) e Danica Patrick (#10), com Edwards em 5º.

No recomeço, na volta 274, Cassill até arrancou muito bem, deixando Ty Dillon em 2º. Edwards não estava disposto a ficar muito tempo atrás de carros teoricamente inferiores e passou para a liderança de forma definitiva na volta 283. Cassill ainda deu alguma luta, o que foi uma boa surpresa.

Este ano, e com a não-obrigatoriedade de se apertar as cinco porcas em cada pneu, as equipas assumem riscos de colocar apenas quatro, ou até três, poupando tempo nas boxes, mas causando vibrações. Jimmie Johnson era 3º quando foi obrigado a parar na volta 302 quando sentiu uma roda mal apertada. Johnson tinha apenas três porcas nos pneus e tinha enormes vibrações no carro. Esta paragem não programada deixou-o no 31º lugar, com duas voltas de atraso.

Edwards liderou até á volta 319. O tráfego colocou-o numa má situação em pista. Harvick meteu-se no lado interior, usou um carro mais lento e Edwards, sem espaço, teve que deixar passar Harvick para que este assumisse a liderança.
Quatro voltas depois, Matt Kenseth, que estava a tentar chegar aos primeiros lugares, e que vinha em 3º, voltou a ter um problema, agora na curva 3, ao rebentar um pneu. O toque foi mais forte do que o seu primeiro furo e juntou-se a Kyle Busch na garagem.

Bandeira amarela na volta 330, com Josh Wise (#30) a bater no muro e a levar um toque de Michael McDowell (#95).
Mais uma ronda de paragens e o primeiro a sair foi Carl Edwards, que bateu Kevin Harvick e recuperou a liderança.

Mais uma vez, a bandeira verde foi agitada na volta 337. Edwards superou Harvick, com um recomeço algo incorreto, e Keselowski, que tinha um carro já muito marcado, era incrivelmente o 3º classificado.
Três voltas depois, um toque entre A. J. Allmendinger e Casey Mears (#13) resultou num meio pião deste último, que fez as curvas 1 e 2 em drift. Ryan Newman (#31) deu um toque considerável em Jimmie Johnson, quando ambos estavam a evitar um acidente.

Foto: Matt Sullivan

 

Recomeço na volta 345. Harvick não arrancou bem e foi passado por Kurt Busch, que estaja agora no 2º posto, mas o seu carro poderia estar com um problema porque era visível algum fumo no seu Chevrolet.
Bandeiras amarelas geram bandeiras amarelas e a 10ª surgiu quando Brian Scott fez um pião na volta 350.

Na volta 356 a bandeira verde foi mais uma vez mostrada. Kurt Busch fez um enorme ataque a Edwards no recomeço e arriscou tudo na parte interior da pista para passar a ser o novo líder da corrida na volta 358.

Na frente da corrida, Edwards não largava Kurt Busch, tentando sempre aproveitar uma oportunidade de entalar Busch entre carros atrasados.
O trabalho árduo de Keselowski foi em vão com um pneu furado na volta 390, que lhe custou duas voltas.
Edwards regressou à liderança da corrida na volta 398, quando Busch apanhou muito trânsito e ficou exposto nas curvas 1 e 2. Edwards fez-lhe o “slide job” para garantir que não receberia uma resposta.

A bandeira amarela voltou a aparecer na volta 409. De novo, um Toyota da Joe Gibbs Racing a furar um pneu e a bater no muro, neste caso Denny Hamlin. Agora a preocupação da equipa era com Carl Edwards, que poderia ter uma falha deste género.
Edwards manteve a primeira posição nas boxes, seguido por Kevin Harvick.

Recomeço na volta 416. Edwards arrancou muito bem e Martin Truex, Jr. a surpreender Harvick por fora e a passar para 2º.
Truex, Jr. foi outro piloto a ter rodas mal apertadas e teve que entrar nas boxes, perdendo duas voltas. As hipóteses de somar um bom resultado esfumaram-se.

Chase Elliott, com pezinhos de lã, tinha perdido duas voltas na fase inicial da corrida por culpa de um pneu mal apertado e foi penalizado por um reabastecimento incorreto, mas foi recuperando de uma forma muito inspirada e a 70 voltas do fim estava já num espantoso 3º lugar.

As bandeiras amarelas não paravam e Aric Almirola (#43) foi tocado na curva 4 por Truex, Jr. que se meteu no interior da curva já em frustração. Almirola fez um pião.
Os líderes decidiram não parar nesta bandeira amarela.

Com 52 voltas para o final, a corrida recomeçou com Edwards a fazer de novo um bom arranque, Harvick em 2º e Kurt Busch a passar Elliott, ascendendo ao 3º lugar.
Ty Dillon e Dale Earnhardt, Jr. andaram durante várias voltas aos toques e isto desconcentrou Dillon, que depois se envolveu num toque com Landon Cassill, e ambos ficaram com alguns estragos nos seus carros, e fizeram surgir a bandeira amarela a 41 voltas do fim. Para Cassill foi uma pena, pois poderia somar um resultado nos 10 primeiros.

Recomeço a 35 voltas do fim. Harvick teve um arranque lento e Elliott passou-o por fora para subir ao 2º lugar, e não tinha intenção de ficar por aqui.
Logano teve um péssimo arranque e caiu de 5º para 17º, com um problema semelhante ao de Earnhardt, Jr. no início da corrida.

Na frente da corrida, Edwards tentava afastar-se de Elliott, que tinha aqui um grande desafio: atacar Edwards, manter a pressão e aguentar Harvick imediatamente atrás.

A diferença entre Edwards e Elliott subiu para mais de um segundo. Harvick estava com muita pressa e quase que comprometia a sua corrida ao tocar no muro. Harvick recuperava do toque e embateu contra Michael Annett (#46), que não evitou um pião.

O recomeço foi dado a apenas 10 voltas do final. Edwards não facilitou as coisas a Elliott, que perdeu balanço e cedeu o 2º posto a Kurt Busch.
Num desentendimento entre Keselowski e Danica Patrick, Regan Smith (#7) levou um toque e despistou-se contra o muro com alguma violência na curva 3. Bandeira amarela.

O último recomeço foi a cinco voltas do fim. Edwards mantinha a liderança e Dale Earnhardt, Jr. apareceu vindo do nada para passar Elliott e Kurt Busch, subindo ao 2º lugar.

Carl Edwards não facilitou as coisas e venceu pela primeira vez esta temporada, numa corrida cheia de incidências. Edwards andou sempre pelos primeiros lugares e está virtualmente na Chase Grid. Edwards foi o único dos carros da Joe Gibbs que escapou a rebentamentos nesta corrida.

Dale Earnhardt, Jr. terminou no 2º lugar, numa corrida que começou muito mal. De alguma forma Earnhardt, Jr. passou ao lado dos problemas de outros e teve uma bela recompensa.
Kurt Busch terminou em 3º, Chase Elliott impressionou no 4º lugar e Trevor Bayne (#6) a fazer um excelente resultado, com o 5º lugar, o seu primeiro Top 5 desde que venceu as 500 Milhas de Daytona de 2011.

Num dia cheio de resultads surpreendentes, Matt DiBenedetto (#83) levou o Toyota da BK Racing ao 6º lugar, que foi o melhor resultado da sua carreira na Sprint Cup Series.

Kevin Harvick caiu nas últimas voltas para o 7º lugar, Clint Bowyer (#15), que andou grande parte do seu dia muito recuado, recuperou várias voltas em bandeiras amarelas e foi um surpreendente 8º classificado, com Ryan Newman em 9º e Joey Logano a terminar em 10º.

Outros resultados: Martin Truex, Jr. teve um final frustrante de corrida e foi 15º, Brad Keselowski não conseguiu ser melhor do que 18º, Denny Hamlin foi 20º depois do seu furo, Jimmie Johnson foi 23º.
Matt Kenseth ficou classificado em 36º e Kyle Busch em 38º, ambos fora de prova.

Depois de Bristol, o campeonato segue para Richmond, a pista que recebe também a última corrida da fase regular em setembro.

 

Classificação final: http://www.jayski.com/stats/2016/pdfs/08bms2016results.pdf

 

Jorge Covas

Um pensamento sobre “NASCAR Sprint Cup Series – Food City 500

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.