Verizon IndyCar Series – 42nd Toyota Grand Prix of Long Beach

As ruas de Long Beach na Califórnia acolheram a IndyCar, na terceira corrida da temporada.

Para esta corrida, Hélio Castroneves (#3) assinou a pole position, tendo Scott Dixon (#9) ao seu lado, com Simon Pagenaud (#22) e Tony Kanaan (#10) na segunda linha, para uma formação de equipa Penske-Ganssi, Penske-Ganassi.

Na largada, Castroneves bateu Dixon, que se defendia de Kanaan. Este, muito agressivo, não conseguiu superar Pagenaud na curva 2.
No início da segunda volta, Pagenaud e Dixon quase tocavam rodas. O francês foi agressivo e subiu para o 2º lugar.

Na volta 4 Pagenaud ameaçou Castroneves, mas a sua tentativa não intimidou o brasileiro, que estava firme e forte no comando da corrida.

A situação da corrida estabilizou-se com Castroneves a manter uma diferença não muito superior a um segundo sobre Pagenaud, e este tinha também uma diferença semelhante para Dixon, em 3º.

Os primeiros classificados foram os últimos a parar, com Will Power (#12) a ser o primeiro dos candidatos à vitória nas boxes, em 6º, na volta 26.
Na volta seguinte, Juan Pablo Montoya (#2) entrou nas boxes e a sua paragem foi algo lenta. Isto fê-lo perder uma posição para Power
Castroneves parou na volta 28, juntamente com Pagenaud e Kanaan, este último seria passado por Power, que iria subir ao 4º lugar.
Dixon parou uma volta depois, fez uma grande volta de entrada e à saída das boxes conseguiu ganhar o 2º lugar a Pagenaud.

Castroneves chegou a alargar a sua vantagem para Dixon até três segundos mas o neozelandês foi aumentando o ritmo à medida que os pneus ficavam mais desgastados e reduziu a diferença para o brasileiro.

Na volta 51, Castroneves teve alguns problemas para dobrar Jack Hawksworth (#41), e isto permitiu uma maior aproximação de Dixon, mas este preferiu usar a tática de parar primeiro, no final dessa volta.
Castroneves tinha que responder a esta opção de Dixon e parou logo na volta seguinte, juntamente com Power. Quando o brasileiro saiu das boxes, Dixon vinha a todo o gás e conseguiu mesmo a ultrapassagem.

 

Dixon ainda não tinha a certeza de que ficaria com a liderança da corrida, porque Pagenaud estava a fazer voltas extremamente rápidas e, quando parou na volta 55, o francês ficou mesmo à justa na frente de Dixon e iria assumir o comando da corrida.
Com a pressa e a pressão de sair na frente, Pagenaud cruzou a linha dupla amarela de saída das boxes com as quatro rodas. A direção da corrida investigou este incidente. Estaria uma penalização a caminho de arruinar todo o trabalho do gaulês?

Power desta vez cedeu uma posição a Kanaan, apesar de este ter parado na volta 54, mais tarde do que Power. No final das paragens, a ordem de passagem era: Pagenaud em 1º, Dixon em 2º, Castroneves em 3º, Montoya em 4º, também a ganhar posições depois de parar mais tarde, Kanaan em 5º, com Takuma Sato (#14) e Will Power a seguir.

Com Pagenaud a ser muito pressionado por Dixon, Castroneves acabou por perder o contacto com os líderes e agora aguentava atrás de si um comboio liderado por Montoya, que trazia Kanaan imediatamente atrás, só que na volta 68, Tony Kanaan foi surpreendido na reta da meta por Sato, que aproveitou para subir ao 5º lugar.

Dixon não conseguia fazer nada sobre Pagenaud, que aguentou uma diferença de um segundo até ao final da corrida, e que iria escapar a uma penalização por cruzar a linha de saída das boxes com as quatro rodas, apesar de apenas se poder cruzar a linha com as rodas da frente e traseira do lado esquerdo.
A IndyCar esclareceu que não cumprir os procedimentos quando se entra ou sai das boxes dá direito a um aviso, portanto Pagenaud apenas foi avisado para não repetir uma infração semelhante durante a corrida.
Quem também recebeu um aviso por uma infração semelhante foi Marco Andretti (#27).

Numa corrida que não teve quaisquer períodos de bandeira amarela, que aconteceu pela primeira vez desde Mid-Ohio em 2013, Simon Pagenaud, que começou a temporada com dois segundos lugares, finalmente arrancou a sua primeira vitória da temporada. O francês quebrou um enguiço de 27 corridas sem vencer. A sua última vitória tinha sido na segunda corrida de Houston, em 2014.
A margem de vitória, 0.303 segundos, foi a mais curta de sempre em Long Beach.

Scott Dixon terminou no 2º lugar, certamente a pensar que poderia ter feito algo mais, e nada satisfeito com o facto de Pagenaud ter escapado com apenas um aviso, e Hélio Castroneves será certamente o piloto mais desapontado neste dia, ao não conseguir traduzir uma pole em vitória.

Juan Pablo Montoya foi 4º, na frente de Takuma Sato, que fez uma boa prestação.
Tony Kanaan em 6º, Will Power apenas em 7º, James Hinchcliffe (#5) em 8º, e a mostrar que continua a ser rápido mesmo depois do seu acidente no ano passado, Sébastien Bourdais (#11) e Josef Newgarden (#21) completaram os 10 primeiros.

A próxima corrida do campeonato será no circuito permanente de Barber Motorsports Park, em Birmingham, no Alabama.

 

Jorge Covas

Um pensamento sobre “Verizon IndyCar Series – 42nd Toyota Grand Prix of Long Beach

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.