NASCAR Sprint Cup Series – GEICO 500 (resumo)

Talladega, a monstruosa “superspeedway, a maior do campeonato, foi o palco para a 10ª corrida da temporada da NASCAR Sprint Cup Series.

A partir de agora, e depois de alguma polémica à conta do número de porcas que as equipas apertavam nas paragens nas boxes, com algumas equipas a assumirem riscos, colocando quatro ou até três, a NASCAR atualizou as regras, obrigando as equipas a colocarem sempre cinco porcas, colocadas de forma segura em todos os pneus e em qualquer altura, seja durante treinos ou corridas, e as penalizações podem ser fortes caso não sejam colocadas as cinco porcas em todos os pneus. Agora os mecânicos vão ter que ser mais cuidadosos nas paragens nas boxes.

Chase Elliott (#24), o “rookie” da Hendrick Motorsports, parece estar a gostar das ovais de prato restritor e marcou a sua segunda pole da carreira, depois de Daytona este ano. Na primeira linha ficou também Austin Dillon (#3), com Dale Earnhardt, Jr. (#88), especialista nestas ovais, em 3º, e Matt Kenseth (#20) no 4º lugar.
Dos pilotos favoritos à vitória mas que iriam ter algum trabalho para o início da corrida para passar carros no meio do pelotão ficaram Kyle Busch (#18), em 17º, Kurt Busch (#41) em 18º, Joey Logano (#22) em 22º e Kevin Harvick (#4) em 29º.

Tony Stewart (#14) partiu do final do pelotão porque Ty Dillon qualificou o seu carro. Stewart foi prudente porque um acidente nesta oval poderia ter graves consequências físicas para o seu lado, e na primeira bandeira amarela, Stewart iria sair do carro e Dillon entrava para chegar até ao fim. As regras permitem uma troca de piloto, e o piloto que começa a corrida é que é creditado com o resultado final do carro.

Com a ameaça da chuva em Talladega, a partida foi um pouco mais cedo do que o previsto. No arranque foi Chase Elliott a ficar na frente, com uma ajuda de Dale Earnhardt, Jr. Dillon veio para baixo e manteve-se atrás de Elliott até que foi abandonado e ficou na segunda linha.
Como esta corrida poderia chegar apenas a metade, rapidamente formaram-se três linhas, com os pilotos a terem alguma pressa para chegarem à frente.

Elliott liderou nas primeiras voltas, com Earnhardt, Jr. e Jimmie Johnson (#48) a seguirem-no, mas Brad Keselowski (#2) e Matt Kenseth tentavam intrometer-se no meio dos carros da Hendrick.

Kenseth atacou Elliott a partir da volta 12, forçando Elliott a passar para a linha superior, e completou a ultrapassagem na volta 16. Mais atrás, Kyle Busch chegava aos cinco primeiros e Kevin Harvick chegava mesmo a fazer quatro carros lado a lado, tentando entrar depressa no Top 10.
De repente, de três Chevrolet passou-se para três Toyota na frente. Kenseth era líder, Denny Hamlin (#11) 2º e Martin Truex, Jr. (#78) 3º. Elliott caiu para 6º, na frente da segunda linha, Johnson para 17º e Earnhardt para 25º, tentando levar a linha exterior para a frente.

A segunda linha ficou mais rápida na volta 29, altura em que Elliott, ajudado por Keselowski e Casey Mears (#13), voltou a liderar a corrida.

Na volta 37 pararam Truex, Jr., Hamlin, Kenseth, Kyle Busch, entre outros. Na volta seguinte, novo grupo nas boxes com Keselowski, Logano e Harvick em destaque.
Na volta 39, o líder, Chase Elliott parou, com Earnhardt, Jr., e houve uma colisão na entrada com Danica Patrick (#10) a levar um toque de David Gilliland (#35), com Paul Menard (#27) também a sofrer um embate de Gilliland.
Quando todos efetuaram as paragens, Kyle Busch, que ficou com um “tear-off” de um pára-brisas na grelha, mas sem tapar as entradas de ar, passou a ser o novo líder. Parar mais cedo em Talladega dá vantagem e o primeiro grupo a parar ficou na frente da corrida; Elliott saiu na frente mas como não tinha conseguido chegar rapidamente à velocidade máxima foi passado por sete carros.

Kyle Busch ficou com o detrito a tapar a grelha por alguns momentos, ao passar atrás de Danica Patrick mas conseguiu remover ao passar por um carro mais lento.

Na volta 50, Tony Stewart, a ser dobrado, vem um pouco para cima na curva 2. Brad Keselowski estava por fora e Dale Earnhardt, Jr. ficou sem ar, perdendo o controlo do carro. Kasey Kahne (#5) não o conseguiu evitar e deu-lhe um embate forte de lado, com Matt DiBenedetto (#83) a levar um toque de ambos. Earnhardt, Jr. foi para a garagem. Era a primeira bandeira amarela.
Todos os pilotos pararam, com a maior parte dos pilotos a colocarem apenas combustível, e Kenseth saiu na frente. Denny Hamlin estava a sair das boxes e deu um toque em Greg Biffle (#16), que estava a entrar para parar. O toque não causou danos mas Hamlin caiu para os últimos lugares.
Tony Stewart deu o seu carro a Ty Dillon e a troca correu bem. A paragem demorou mais de um minuto, uma vez que a equipa não tinha muita pressa em fazer a troca.

Michael Waltrip (#55), o veterano que faz as pistas de prato restritor, não parou nas boxes e liderou no recomeço, na volta 57.
Duas voltas depois, Waltrip foi passado por Kenseth e Kyle Busch. Na reta interior, Logano empurra Truex, Jr., que toca em Waltrip. Este foi para dentro da pista, na parte mais plana, tentou reentrar no “banking” na curva 3 e deu um toque em Casey Mears, que fez um pião e foi de encontro a Aric Almirola (#55). Bandeira amarela, e Mears foi para a garagem.

Recomeço na volta 63 e Kenseth ficou imediatamente na frente da corrida. As coisas aqueciam na frente, com três linhas e muitos movimentos, porque a chuva, embora estivesse tímida, parecia estar a chegar com mais força, pelo que a corrida poderia ser encurtada, e isto obrigou os pilotos a estarem bem colocados na frente.

Brad Keselowski e Chase Elliott estavam ao ataque e conseguiram passar Kenseth e Kyle Busch por fora na volta 74.

Denny Hamlin vinha a dar tudo o que tinha no seu Toyota e veio como um foguete do final do pelotão para ficar lado a lado com o líder, Brad Keselowski, na volta 82.
Hamlin e Keselowski mantinham-se lado a lado durante várias voltas, com três filas em perseguição furiosa.
Ao ataque também vinha Martin Truex, Jr., que já tinha testado todas as linhas, e meteu-se no meio do pelotão a passar para dentro e para fora até que ficou em 2º, atrás de Keselowski.

Kevin Harvick parou na volta 96 e, nessa volta, surgiu um acidente na reta oposta. Austin Dillon foi de encontro ao muro exterior na reta oposta quando foi forçado a ir para cima por Jamie McMurray (#1), onde ainda estava David Gilliland. Gilliland tocou em Dillon, este fez um pião. Jimmie Johnson também foi tocado por Danica Patrick e fez um pião. Um pouco mais atrás, Michael Annett (#46) também perdeu o controlo do carro e fez um pião, que envolveu Carl Edwards (#19) e Chris Buescher (#34). Annett foi contra o muro interior, Buescher capotou várias vezes de forma violenta a mais de 300 km/h. Ninguém se magoou seriamente, mas alguns carros foram para a garagem. Bandeira amarela.
Paragens nas boxes: Elliott saiu na frente de Trevor Bayne (#6). Kevin Harvick não teve que parar e ganhou posições, mas foram nove carros que decidiram não entrar nas boxes, tentando ganhar posição em pista, a pedirem que a chuva começasse a cair para que a corrida fosse interrompida. Na última volta em bandeira amarela estes pilotos pararam, e ficou Kevin Harvick na frente da corrida, com Chase Elliott no lado de fora.

A ordem para recomeçar a corrida foi dada na volta 103. Elliott deu luta a Harvick e passou para a frente na curva 3. Harvick contra-atacou e voltou a ficar lado a lado, mas a segunda linha estava mais forte e Elliott ficou na frente.
Elliott cometeu um erro na volta 107, na curva 3. Quando se movia entre linhas, passou demasiado para cima. Kurt Busch não precisou de um segundo convite para se meter no meio e Elliott caiu para 9º. Harvick era de novo o líder.

Na volta 110 houve mais um acidente, de novo com Dale Earnhardt, Jr., que tinha regressado à pista após reparações. Na curva 1, Carl Edwards teve uma falha no seu carro e saiu disparado para a direita, embatendo diretamente contra Earnhardt, Jr. Denny Hamlin escapou por milagre de um acidente, ele que vinha no meio da pista.
Ambos ficaram fora de prova, e Earnhardt, Jr. ficou com o carro totalmente destruido na frente. O chassis que usou foi o mesmo que ficou danificado em Daytona durante a corrida, por isso foram três acidentes violentos para o carro, apelidado de “Amelia”.
Trevor Bayne estava na frente da corrida por esta altura, porque passou Harvick mesmo a tempo de sair a bandeira amarela.

Recomeço na volta 115, com Bayne e Harvick lado a lado, a lutarem pela liderança. Keselowski empurrou Bayne e este ficou isolado na liderança.

Na volta 127, Kasey Kahne, que voltara à pista e que estava para ser dobrado, estava na zona plana da pista, no “apron”, entre as curvas 1 e 2, e foi bater contra o muro, fazendo sair a bandeira amarela.
Paragens nas boxes, e Trevor Bayne saiu na frente da corrida, com Kyle Larson (#42) em 2º. A maior parte dos pilotos optou por colocar dois pneus, com Kurt Busch a colocar quatro, e Kyle Larson e Jamie McMurray, os dois pilotos de Chip Ganassi, a não mudarem de pneus.
Alguns metros mais atrás, Landon Cassill (#38) entrou nas boxes e Denny Hamlin foi surpreendido, fazendo um pião. Hamlin tinha problemas nas boxes uma vez mais.

Bandeira verde na volta 133. Harvick empurrou Bayne e este ficou de novo sozinho na frente.
Kyle Larson conseguiu voltar a ficar lado a lado, fez “side draft” com Bayne na reta da meta e passou a ser o novo líder na volta 139.

Com três lado a lado, Matt Kenseth conseguiu colocar o seu carro nas primeiras posições, ficou lado a lado com Larson e passou-o a 43 voltas do fim, e Harvick seguiu-o no 2º lugar.

A sexta bandeira amarela saiu a 37 voltas do final, quando David Ragan (#23) partiu o motor.
Todos os pilotos pararam, naquela que foi a última paragem programada. Matt Kenseth saiu na frente de Trevor Bayne. A maior parte dos pilotos optou por não trocar pneus, colocando apenas combustível para chegar até ao final da corrida.

Recomeço a 33 voltas do final. Bayne parecia perder o contacto com Kenseth mas saiu muito rápido das curvas 3 e 4 e passou Kenseth. Keselowski queria voltar à liderança e ficou lado a lado com Bayne. Rapidamente ficou isolado e a ziguezaguear na frente de três filas de carros.

Com três e quatro carros lado a lado, o “The Big One” surgiu a 28 voltas do final. Tudo começou na frente do pelotão, quando Kurt Busch empurrou Jimmie Johnson. Paul Menard (#27) estava por fora, bateu em Johnson e ambos fizeram um pião. Menard bate em Truex, Jr. e levaram com eles Kyle Larson, Ryan Blaney (#21), A. J. Allmendinger (#47), Ryan Newman (#31), que ficou em chamas, Jamie McMurray, Denny Hamlin, Danica Patrick, Austin Dillon, Greg Biffle (#16), Landon Cassill, Aric Almirola, Ricky Stenhouse, Jr. (#17), Michael McDowell (#95), David Gilliland (#35), Brian Scott (#44) e Regan Smith (#7). Clint Bowyer (#15), Ty Dillon e Bobby Labonte (#32) escaparam por muito pouco deste acidente, tal como Kurt Busch. Uns foram para a garagem, outros apenas para as boxes para se efetuarem reparações.

A corrida voltou a recomeçar a 22 voltas do fim. Os dois Ford de Roger Penske estavam lado a lado. Joey Logano, que tinha o seu carro com remendos, conseguiu passar Keselowski com a ajuda de Kenseth.
Alguns detritos apareceram na curva 2, que forçaram a direção de corrida a fazer sair a bandeira amarela.

Mais um recomeço da corrida, a 17 voltas da bandeira de xadrez. De novo, Logano e Keselowski lado a lado, até que Keselowski ficou na frente com uma boa saída da curva 2.
A 15 voltas do fim, Logano, a defender a sua posição, tentou bloquear Kenseth na reta interior, eles que ainda não esqueceram completamente os acidentes que tiveram juntos no ano passado. Desta vez, Kenseth controlou o carro no “apron” e voltou à corrida sem problemas, e Logano perdeu várias posições, apesar de estar no interior. Isto promoveu Kyle Busch ao 2º lugar, lado a lado com Bayne, atrás de Keselowski.
Landon Cassill também esteve perto de um acidente quando se tentou meter na linha interior e foi tocado por Martin Truex, Jr., mas conseguiu controlar o seu carro na curva 1 no “apron”.

Mais uma bandeira amarela, a oito voltas do fim. Danica Patrick, na reta interior, esteve quase a bater em Ricky Stenhouse, Jr. mas foi tocada na traseira por Michael McDowell e fez um pião, indo contra o muro interior, levando Kenseth consigo. Este levantou voo e fez muitos metros com o teto do carro no asfalto. McDowell faz um pião e foi contra Almirola que bate em Logano, Biffle, Cassill e Labonte não conseguiram evitar McDowell. Kevin Harvick ainda sofreu um toque que não lhe causou muitos danos, mas que lhe custou várias posições. Mais uma vez, ninguém se magoou.

Bandeira verde a três voltas do fim. Kurt Busch passou Keselowski, com um empurrão de Bayne.
Kurt e Brad andaram lado a lado, o pelotão juntou-se mais, Kyle Busch meteu-se por fora e tirou alguma velocidade a Kurt Busch, que ficou sem ajuda e perdeu posições, com David Gilliland (#35), com um carro remendado, chegou mesmo ao 3º lugar.

Na última volta, Keselowski e Kyle Busch tentaram isolar-se do pelotão. Chase Elliott apareceu nos primeiros lugares e, por dentro, passou Gilliland, Jamie McMurray e Austin Dillon, chegando ao 3º posto por alguns instantes.
Keselowski conseguiu manter-se sozinho e chegou à linha de meta no 1º lugar, com Dillon a passar Elliott e ainda a tentar passar Kyle Busch, sem sucesso.
Quando os carros chegaram à meta, houve mais um acidente violento. Landon Cassill tocou em Cole Whitt (#98) e este foi contra Kevin Harvick, que fez um pião e bateu violentamente contra o muro, levando Ricky Stenhouse, Jr. e A. J. Allmendinger consigo. Martin Truex, Jr. ainda foi tocado por Whitt, e Bobby Labonte também se viu envolvido neste acidente.

Brad Keselowski sobreviveu a um dia muito complicado em Talladega, ele que até teve problemas no início com sobreaquecimento, e assinou a sua segunda vitória da temporada, passando a ser o quarto piloto este ano a vencer mais do que uma vez. Isto garante-o virtualmente na Chase for the Sprint Cup.

Kyle Busch terminou no 2º lugar, na frente de Austin Dillon, que fez o melhor resultado da temporada, em 3º.

Jamie McMurray, que sobreviveu ao Big One, foi 4º, Chase Elliott aguentou-se bem em Talladega e terminou no 5º lugar, Ty Dillon levou o carro de Tony Stewart até a um excelente 6º lugar (Stewart ficará oficialmente com esta posição), Clint Bowyer também se aguentou e fugiu aos acidentes para acabar em 7º, Kurt Busch foi 8º, Ryan Blaney acabou em 9º e Trevor Bayne acabou em 10º.

A maior parte dos candidatos à vitória não escaparam dos acidentes, mas alguns ainda conseguiram ter classificações razoáveis. Martin Truex, Jr. foi 13º, Kevin Harvick ficou classificado no 15º lugar, apesar de ter acabado com dois carros colados à sua porta.
Jimmie Johnson fez reparações e acabou em 22º, Matt Kenseth não voltou do seu voo e capotanço, ficando classificado em 23º, Joey Logano foi 25º, Denny Hamlin foi 31º, Carl Edwards foi 35º, Dale Earnhardt, Jr. ficou com um carro destruido por duas vezes, mais a de Daytona, e no 40º lugar. Earnhardt, Jr. ainda foi protagonista de uma situação complicada numa bandeira amarela, quando o volante saiu da coluna de direção, e este teve que agarrar a coluna com a mão e recolocar o volante!

Na próxima semana o campeonato segue para a oval do Kansas.

Classificação da GEICO 500

Jorge Covas

Um pensamento sobre “NASCAR Sprint Cup Series – GEICO 500 (resumo)

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.