Verizon IndyCar Series – Chevrolet Indy Dual in Detroit

 

Depois das 500 Milhas de Indianápolis, os pilotos e equipas no campeonato IndyCar não tiveram tempo para descansar. Este fim de semana o circuito citadino de Belle Isle em Detroit acolheu o campeonato. Realizaram-se duas corridas, uma no sábado, a outra no domingo neste “Dual in Detroit”

Corrida 1

Simon Pagenaud (#22) voltou a fazer a pole position, a terceira da temporada, com uma volta em 1:14.916, com o seu companheiro de equipa na Penske, Hélio Castroneves (#3) ao seu lado a apenas 12 milésimas de segundo, com Juan Pablo Montoya (#2), mais um Penske, e James Hinchcliffe (#5) na segunda linha.
Alexander Rossi (#98) teve uma semana em cheio, depois de vencer as 500 Milhas, mas aqui qualificou-se no 17º lugar.

Com algumas nuvens ameaçadoras no céu, no momento em que saiu a bandeira verde Hélio Castroneves fez imediatamente um enorme ataque a Simon Pagenaud logo na curva 1, e foi por muito pouco que Pagenaud evitou um toque e se manteve na liderança.
Tony Kanaan (#10) fez um bom arranque, passando de 7º para 5º, com Scott Dixon (#9) a atrasar-se, caindo de 6º para 11º.
No final da primeira volta, os pilotos da Penske já estavam a afastar-se do resto do pelotão, com Pagenaud e Castroneves bastante rápidos nesta fase inicial.

Nas voltas 3 e 4, vários pilotos optaram por colocar a mistura mais dura dos pneus Firestone, com Kanaan, Charlie Kimball (#83), Takuma Sato (#14), Ryan Hunter-Reay (#28), Marco Andretti (#27), Josef Newgarden (#21), entre outros, a fazerem a troca.

A corrida de Scott Dixon não começou bem e ficou ainda pior depois de ter parado na volta 9, passando para os pneus duros, mas a mangueira de reabastecimento não funcionou, e a paragem demorou 22 segundos. O campeão em título caiu 16º.

Max Chilton (#8) bateu na barreira, com uma possível falha na direção, danificando o seu carro a caminho da curva 8, e fez sair a bandeira amarela na volta 10. Juan Pablo Montoya teve muita sorte em ter parado na altura em que saiu a bandeira amarela, e estava no 4º lugar e em boa posição com pneus novos, estando atrás de Pagenaud, Castroneves e Carlos Muñoz (#26), que ainda não tinham parado.

O Pace Car voltou às boxes no final da volta 14. Castroneves até arrancou melhor do que Pagenaud mas o francês nem precisou de se esforçar muito para defender a posição na curva 1.
Muñoz foi atacado por Montoya e por Will Power (#12) e o australiano, que começou do 9º lugar, passou ambos para ascender ao 3º lugar. Montoya saiu lento da curva 3 e foi passado por Muñoz, caindo para o 5º lugar.

Com pneus macios e menos combustível, Pagenaud e Castroneves tinham que dar tudo por tudo para ganharem vantagem suficiente à concorrência para poderem parar nas boxes e manterem a posição. Por algum motivo, o brasileiro parecia ter menos capacidade para andar depressa, porque Power estava sempre a menos de um segundo, ambos já a mais de quatro de Pagenaud.
Power aproximou-se de Castroneves e conseguiu passar o brasileiro na curva 3, na volta 21.

Pagenaud parou na volta 24, colocando os pneus duros, e regressou à pista no 12º lugar. O líder do campeonato tinha agora um bom desafio para subir na classificação.
Castroneves e Muñoz pararam na volta 25 e cairam para 16º e 18º, respetivamente. Assim, o novo líder era Will Power, com Juan Pablo Montoya no 2º lugar e James Hinchcliffe em 3º.

Pouco depois, os pilotos que tinham feito paragens nas primeiras voltas voltavam às boxes para fazer a segunda paragem.

Will Power fez uma série de voltas rápidas e fez a sua paragem na volta 29. A paragem foi boa e conseguiu voltar à pista à frente de Pagenaud, no 4º lugar.

O líder passou a ser Montoya, seguido por Dixon e Hinchcliffe, todos ainda a terem que passar nas boxes.
Hinchcliffe entrou na volta 30, regressando em 5º. Montoya e Dixon pararam na volta seguinte.
Montoya regressou mesmo à frente de Power, e este tentou imediatamente aproveitar os pneus frios de Montoya para passar na curva 3. Montoya foi robusto na defesa não dando muito espaço a Power, mas o australiano não arredou pé e forçou Montoya a ceder a posição, com o colombiano quase a bater na barreira exterior.
Pagenaud, que assistia em grande plano a esta luta, aproveitou muito bem o facto de ambos terem feito péssimas saídas da curva 3 e passou os seus colegas de equipa. Pagenaud conseguia passar de 3º para 1º em pouco mais de 100 metros.

James Hinchcliffe tinha cedido o 4º lugar a Castroneves e tentava manter o contacto, mas o canadiano perdeu o controlo do seu Dallara Honda na travagem para a curva 3 e bateu na barreira de pneus colocada nas curva 7, originando uma segunda situação de bandeiras amarelas em todo o circuito na volta 43.

Quase todos os pilotos entraram para as boxes e Will Power bateu Simon Pagenaud, sendo o primeiro a sair. Vários pilotos ficaram fora, foram eles Juan Pablo Montoya, que era o novo líder, Graham Rahal (#15), Scott Dixon, Sébastien Bourdais (#11), Conor Daly (#18) e Gabby Chaves (#19), com Power em 7º, Pagenaud em 8º e Castroneves em 9º.
Will Power, de repente, saiu para a escapatória na curva 3, com um problema no seu Dallara Chevrolet, aparentemente na caixa de velocidades, mas isso não foi o pior, porque já quando os comissários estavam à volta do seu carro, a sua roda no lado direito na traseira do carro acabou por sair, possivelmente por estar mal apertada depois da sua paragem nas boxes. Era o fim da corrida para Power.

Com alguns pingos de chuva, o recomeço foi decretado na volta 47. Montoya arrancou bem e ganhou vantagem para Graham Rahal (#15), com Scott Dixon e Sébastien Bourdais em 3º e 4º.
Dixon estava impaciente e queria passar o mais depressa possível por Rahal na volta seguinte, só que Rahal não facilitou na curva 3.

Montoya, Rahal e Dixon destacavam-se na frente da corrida, tentando ganhar tempo aos rivais para a última paragem nas boxes.

Rahal foi o primeiro a entrar, na volta 53, e regressou em 10º.
Montoya parou na volta 55 e a sua paragem foi rápida. O colombiano voltou no 6º lugar, mesmo atrás de Castroneves e Pagenaud, que ainda podiam ter que parar.
Dixon ficou apenas mais uma volta mas a sua paragem não foi particularmente rápida. Apesar de ter voltado à frente de Montoya, o seu carro teve problemas elétricos à saída das boxes. Dixon voltou às boxes mas abandonou a corrida, complicando a sua situação na luta pelo campeonato.

Sébastien Bourdais parou apenas na volta 57 e depois de assinar uma série de boas voltas, fez uma paragem muito rápida e conseguiu voltar à pista à frente de Pagenaud e Castroneves, que tinham trocado de posição e agora tinham Montoya em modo de ataque máximo.

Pagenaud estava concentrado no ataque ao seu compatriota mas esqueceu-se de Castroneves, que estava nos seus retrovisores. O brasileiro atacou na curva 3 e passou Pagenaud na volta 60.

Conor Daly ficou na liderança e ficou por aí até à volta 62, optando por colocar apenas combustível, e foi por pouco que Bourdais regressou ao comando.

Castroneves e Pagenaud também acabaram por não fazer uma paragem e cairam para 5º e 6º, respetivamente, sendo passados por Montoya (3º) e Rahal (4º).

Na última volta, Simon Pagenaud, incrivelmente, ficou sem combustível, e ficou classificado no 13º lugar. Um erro crasso para o francês que lhe custou alguns pontos no campeonato.

Uma boa estratégia e alguma sorte acabaram por resultar na perfeição para Sébastien Bourdais, que conseguiu mesmo vencer a corrida 1 em Detroit. Bourdais teve uma boa oportunidade para lutar pela vitória e aproveitou-a da melhor forma, apesar de ter arrancado do 13º lugar.

Conor Daly esteve bem perto de superar Bourdais, mas ficou-se por um excelente 2º lugar, naquele que foi o seu primeiro pódio neste campeonato. Daly começou a corrida no 16º lugar, uma excelente recuperação.

Juan Pablo Montoya perdeu a corrida porque não conseguiu usar os pneus novos da melhor forma, ficando retido atrás de Castroneves e Pagenaud. O colombiano terminou em 3º e, apesar de tudo, recupera pontos importantes na luta pelo título.

Graham Rahal também teve problemas com o tráfego depois da sua última paragem e ficou no 4º lugar, batendo Hélio Castroneves, que foi 5º, poupando combustível suficiente para chegar até ao fim, ao contrário de Pagenaud.
Carlos Muñoz acabou em 6º, Ryan Hunter-Reay foi 7º, Charlie Kimball 8º, Tony Kanaan foi 9º e Alexander Rossi fechou os 10 primeiros.

 

r2

Corrida 2

Simon Pagenaud foi ainda mais rápido do que ontem, marcando uma volta em 1:14.037, um novo recorde do circuito, com Ryan Hunter-Reay a qualificar-se em 2º, com Hélio Castroneves e Scott Dixon na segunda linha.
O vencedor da corrida 1, Sébastien Bourdais, qualificou-se em 12º.
Alguns pilotos foram penalizados com a exclusão de voltas rápidas, o mais prejudicado a ser Will Power, que viu duas voltas anuladas por bloquear Marco Andretti (#27). Power teria que começar de 8º quando poderia estar na pole.

No arranque, Pagenaud levou a melhor sobre Ryan Hunter-Reay, chegando à curva 1 na frente. Mais atrás houve um toque entre Hélio Castroneves e Scott Dixon. O neozelandês caiu para 6º, Castroneves teria que perder uma posição.
Na curva 1, Hinchcliffe foi empurrado contra o muro por Carlos Muñoz, que por sua vez estava a ser empurrado por Charlie Kimball e isto provocou alguma confusão, com Takuma Sato (#14) a fazer um pião, tocado pelo carro de Alexander Rossi. Gabby Chaves (#19), Graham Rahal e Max Chilton também estiveram envolvidos, com Chilton a ir de encontro ao muro depois de evitar os carros de Rossi e Sato.
Sato, já atravessado na pista, ainda leva um toque do carro de Marco Andretti. Chilton e Hinchcliffe abandonaram, os outros pararam nas boxes e efetuaram reparações.

Recomeço na volta 5, com Pagenaud sempre na frente de Hunter-Reay, e Castroneves a ser passado por Tony Kanaan, que subiu ao 3º posto em virtude da penalização inicial de Castroneves.

Pagenaud ganhou cerca de um segundo a Hunter-Reay, ambos claramente mais rápidos do que os rivais. Kanaan tentava manter o contacto, estando com mais de três segundos de atraso.

Scott Dixon lutava com Mikhail Aleshin (#7) pelo 5º lugar. Aleshin bloqueou Dixon para a curva 3 e o russo teve que ceder a sua posição, sendo depois passado por Juan Pablo Montoya, que tinha já deixado para trás Will Power. O colombiano era 6º.

Entre os primeiros classificados, Tony Kanaan foi o primeiro a parar nas boxes, na volta 18.

Pagenaud iniciou uma série de voltas muito rápidas que permitiram ao francês aumentar a diferença para Hunter-Reay, agora com três segundos de atraso e a sentir a aproximação de Castroneves, em 3º.
Dixon tinha Montoya nos retrovisores, ambos cada vez mais perto de Castroneves, mas na volta 24, Montoya tentou ultrapassar Dixon na curva 7, foi para cima do limitador e bateu em Dixon. Montoya partiu a asa dianteira, Dixon furou e ambos tiveram que passar pelas boxes. O colombiano regressou em 13º, o neozelandês em 18º.

Pagenaud parou no final da volta 24, juntamente com Hunter-Reay. Pagenaud regressou na liderança, Hunter-Reay foi passado na saída das boxes por Kanaan.
Castroneves parou uma volta depois e também passou Hunter-Reay, mas o brasileiro ainda ficou no 4º lugar porque Sébastien Bourdais, que foi um dos primeiros a parar, fez uma série de boas voltas e, depois de todos terem feito as paragens, apareceu no 3º posto.

A situação de corrida na luta pela liderança estava a ficar interessante, com Kanaan a ficar colado à traseira de Pagenaud, e Bourdais mais rápido do que ambos, apesar de ter os pneus um pouco mais usados. Bourdais acabou por fazer a segunda paragem na volta 34.

Depois de fazer a sua segunda paragem, Montoya tentava recuperar tempo quando perdeu a traseira do seu Dallara Chevrolet na curva 8 e bateu no muro, danificando o seu carro, que ficou parado na curva 10. Bandeira amarela na volta 35.
Tony Kanaan acabou por fazer uma paragem já em bandeira amarela que o atirou para o 17º lugar. Os pilotos que atrasaram ao máximo as primeiras paragens ficaram em pista, casos de Pagenaud, Castroneves e Hunter-Reay, pelo que não houve uma grande mudança na ordem de passagem.

O Pace Car regressou às boxes e a corrida recomeçou na volta 40. Castroneves atacou imediatamente Pagenaud e tentou passar na curva 3, sem sucesso.
Na volta seguinte, Castroneves fez a mesma manobra na curva 3, passando do lado exterior na entrada para o lado interior na saída, não dando hipóteses a Pagenaud. Novo líder: Castroneves.

Pagenaud, Hunter-Reay e Power pararam na volta 50, fazendo aqui a última paragem. Pagenaud regressou em 8º, Power passou Hunter-Reay e voltou em 9º.

O carro de Jack Hawksworth (#41) ficou parado em pista e o britânico provocou uma situação de bandeiras amarelas.
Isto não poderia ter vindo na pior altura para Castroneves, que ainda não tinha parado, e esta situação resultou muito bem para os pilotos que já tinham feito a última paragem mesmo antes da bandeira amarela. Castroneves teve que esperar até à volta 52 para efetuar a paragem que o deixou no 15º posto.
Sébastien Bourdais ficava na frente, com Charlie Kimball em 2º, Graham Rahal em 3º e Alexander Rossi em 4º, mas todos eles ainda teriam que fazer mais uma paragem, que seria apenas para colocar combustível. Pagenaud era agora o 5º classificado, o melhor dos pilotos já com paragens.

Recomeço na volta 53, com Bourdais na frente de Kimball. Pagenaud teve algumas dificuldades com os pneus numa temperatura incorreta, e o francês nada pôde fazer na curva 3 para manter Power atrás. O campeão de 2014 subiu ao 5º lugar.

Os líderes fizeram a partir daqui autênticas voltas de qualificação, sobretudo Bourdais, que ganhou uma grande vantagem para Kimball. O francês parou na volta 59, juntamente com Kimball. Bourdais voltou em 10º.
Rahal parou na volta 61 e cedeu a liderança a Alex Rossi que, desta vez, não tinha hipóteses de fazer a mesma estratégia das 500 Milhas. Rossi parou na volta 62, e isto deixava Power na liderança, com Pagenaud em 2º, a dois segundos de distância, e Hunter-Reay em 3º.

E as coisas ficaram assim até ao fim. Will Power venceu pela primeira vez esta temporada e mostrou que ainda está capaz de fazer um ataque ao título, embora ainda tenha que recuperar muitos pontos.

Simon Pagenaud ficou no 2º lugar, e está a criar cada vez mais dificuldades para os seus rivais na luta pelo título, porque Hélio Castroneves não foi além do 14º lugar. Ryan Hunter-Reay completou o pódio.

Josef Newgarden (#21) começou em 17º e fez uma corrida onde tentou evitar problemas, acabando no 4º posto, à frente de Scott Dixon, que fez os possíveis para recuperar do seu furo.

Conor Daly voltou a fazer um bom resultado. Depois de começar em 21º, uma boa estratégia permitiu ao piloto da Dale Coyne Racing chegar ao 6º lugar, com Tony Kanaan em 7º, Sébastien Bourdais em 8º, Marco Andretti (#27) veio do último para o 9º lugar e Takuma Sato fechou o Top 10. Estes dois estiveram envolvidos no acidente na partida e efetuaram boas recuperações.

Na próxima semana há mais uma corrida na IndyCar, com a Firestone 600 na oval do Texas.

 

 

Jorge Covas

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.