NASCAR Sprint Cup Series – Coke Zero 400 Powered by Coca-Cola (Resumo da corrida)

A Sprint Cup Series passou novamente por Daytona para a Coke Zero 400, com 400 milhas nesta “superspeedway” sempre a fundo.

Greg Biffle (#16) foi uma bela surpresa na qualificação e conseguiu a pole position com o Ford da equipa de Jack Roush. Foi a sua 13ª pole na carreira, a primeira desde 2012. Biffle tinha as estatísticas contra si porque nunca venceu partindo da pole, e iria tentar mais uma vez quebrar essa espécie de maldição.
Ao lado de Biffle na primeira linha ficou Carl Edwards (#19), com Kyle Busch (#18) e Ricky Stenhouse, Jr. (#17) na segunda linha. Eram dois Ford da Roush e dois Toyota da equipa de Joe Gibbs nas duas primeiras linhas. Kyle Busch até surpreendeu com o 3º posto na qualificação porque depois de um acidente na curva 1 nos treinos livres, foi forçado a mudar para o carro de reserva.
Destaque pela negativa, com qualificações abaixo do esperado ficaram, entre outros, Martin Truex, Jr. (#78) em 15º, Dale Earnhardt, Jr. (#88), o vencedor desta corrida no ano passado, em 16º, o vencedor da semana passada, Tony Stewart (#14), e que poderia entrar nos 30 primeiros no campeonato já nesta corrida, em 19º e Kevin Harvick (#4) em 21º.

A chuva quase atrapalhava os planos mas à hora da corrida a pista ficou seca, apesar de um aguaceiro minutos antes.

Numa corrida que começou de dia e acabou de noite, Carl Edwards, na linha interior, foi mais forte do que Greg Biffle e liderou na primeira volta. Brad Keselowski (#2) conseguiu ficar na frente de Biffle na segunda linha e passou a trocar a liderança com Edwards nas voltas seguintes.

A primeira bandeira amarela surgiu na volta 20. Foi uma bandeira amarela de competição por causa da chuva.
Brad Keselowski saiu das boxes na frente, seguido por Biffle, Austin Dillon (#3) e Casey Mears (#13). Muitos pilotos escolheram trocar apenas dois pneus. Jimmie Johnson (#48) foi penalizado por ter demasiados mecânicos a trabalhar no carro.

Recomeço na volta 26, com Keselowski a fazer um bom arranque e a ficar na posição que queria, podendo escolher das duas linhas a que mais lhe interessava. Biffle também queria estar na liderança e na volta 28 chegou a passar Keselowski.
Nesta fase da corrida ainda havia alguma desorganização mas o padrão era a existência de duas linhas, com a linha exterior a ser ligeiramente mais rápida.

Durante algumas voltas a linha exterior ficou extremamente rápida e muitos pilotos no interior desistiram de tentar chegar à frente. Keselowski ficou mais tranquilo até à volta 53, quando Joey Logano (#22) decidiu liderar um pelotão no interior para chegar até à frente. Jamie McMurray (#1) ainda passou para a frente e Keselowski tentou retirar alguns detritos da sua grelha, mas o seu carro continuava a aquecer.

As paragens começaram na volta 65 com um grupo que tinha os líderes, Keselowski, Logano, Ryan Blaney (#21), Johnson, entre outros, com Logano a ser um exemplo de um piloto que optou por trocar apenas dois pneus.
Uma volta depois entrou outro grupo com Edwards, Denny Hamlin (#11), Kyle Busch, na volta 67 foram Biffle, Dillon, com Kevin Harvick, Kurt Busch (#41) e Tony Stewart a pararem na volta 69, este trio que andou até aqui resguardado nas últimas posições.
Depois das paragens, Kyle Busch era o novo líder, com Joey Logano e Brad Keselowski, que agora já não tinha detritos, a atacarem a liderança.

Logano tinha alguma pressa para passar Kyle Busch e fez uma manobra algo arriscada na volta 76 à entrada da curva 1. Conseguiu colocar-se por dentro, foi ajudado por Keselowski e passou para a frente, mas uma volta depois, Denny Hamlin conseguiu muita velocidade na reta oposta e não deu hipótese a Logano.
Keselowski acabaria por recuperar a liderança na volta 83, passando Hamlin por fora.

A corrida estava a ser rápida e tranquila mas o “Big One” chegou na volta 90. À entrada da curva 1, Jamie McMurray veio para dentro e toca ao mesmo tempo em Jimmie Johnson e toca de raspão em Kyle Larson. A partir daqui, McMurray fez um pião e 19 carros foram colhidos. Ficaram ainda envolvidos para além de McMurray e Johnson, Paul Menard (#27), Chase Elliott (#24), Brian Scott (#44), Regan Smith (#7), Danica Patrick (#10), Greg Biffle, Aric Almirola (#43), Martin Truex, Jr., Matt Kenseth (#20), Ryan Newman (#31), Chris Buescher (#34), Matt DiBenedetto (#83), Cole Whitt (#98), Kevin Harvick, Michael Annett (#46), Kasey Kahne (#5), Dale Earnhardt, Jr. (#88), David Gilliland (#35) e David Ragan (#23). Vários carros foram para a garagem e uns voltaram, outros ficaram até ao final da corrida, casos de Johnson, Harvick, Kenseth e McMurray.

Depois de algumas voltas a limpar a pista as boxes abriram e todos colocaram quatro pneus, com Logano a sair na frente de Hamlin, Keselowski e Kyle Busch.

Recomeço na volta 102. Ao fim de uma volta Logano levou a melhor sobre Hamlin mas Keselowski foi agressivo e ficou lado a lado com Logano na volta 104. Eventualmente o campeão de 2012 passou a controlar a corrida.

A linha superior acabou por ser novamente a linha mais rápida e os carros que estavam no interior desistiram de tentar chegar à frente. Pouco depois, oito carros destacaram-se na frente, com a diferença entre Logano, em 8º, e Hamlin em 9º a ser superior a dois segundos.

A bandeira amarela apareceu a 30 voltas do fim por detritos. Nesta altura era necessária apenas uma paragem para chegar ao fim e por isso todos entraram nas boxes para aquela que seria a última paragem programada.
Kyle Busch foi o primeiro a sair, com Brad Keselowski, Kurt Busch e Casey Mears a seguir. Muitos pilotos optaram por colocar apenas combustível, e Joey Logano, que trocou de pneus e colocou quatro, caiu para 16º. Quase todos os pilotos que trocaram pneus apenas colocaram no lado direito.

Bandeira verde a 26 voltas do final. Kyle Busch e Brad Keselowski ficaram lado a lado durante cinco voltas. Depois desta luta a linha exterior voltou a estar ligeiramente mais rápida e isto deu a oportunidade a Keselowski de ficar isolado e poder escolher o comboio que era mais indicado, mas depois de cometer um ligeiro erro na troca de linhas, Kyle Busch voltou a ficar lado a lado.
Kyle Busch parecia ter conseguido ficar totalmente na frente a 16 voltas do fim mas Keselowski, nas curvas 1 e 2, veio do exterior para o interior e não deu hipótese a Busch de cobrir a manobra.

A 12 voltas do fim ainda houve mais um acidente que, felizmente, não envolveu muitos carros. Tony Stewart pareceu ter furado um pneu na curva 1 e fez um pião, dando um um toque em Ryan Blaney e levando ainda consigo Carl Edwards, Casey Mears e Trevor Bayne (#6).

Recomeço a seis voltas do fim com Logano a ajudar bastante Keselowski e este a ficar na frente. Já na reta da meta acontece mais um acidente no final do pelotão, com Blaney dar um toque violento na traseira de Edwards, que fez um pião e tocou em Almirola e Bobby Labonte (#32).
Ainda houve um toque mais à frente mas sem grandes problemas. Aí foi A. J. Allmendinger (#47) que ao desviar-se de outro carro à sua frente que estava a passar para fora, acaba por tocar no muro.

O recomeço foi dado a duas voltas do fim em modo “NASCAR Overtime”. Keselowski, ajudado por Logano, passou para a frente e aproveitou para bloquear Kurt Busch. Kyle Larson deu espetáculo e tentou à força passar para os primeiros lugares.
Kyle Busch conseguiu ficar por fora e, lado a lado, os irmãos Busch tentavam superar Keselowski mas o piloto da Penske conseguiu ter uma margem suficiente para manter a liderança sem problemas.
Kurt Busch ainda foi tocado e fez um pião na zona da reta da meta. Depois de destruir a sua frente na relva, Kurt acabou em 23º.

Brad Keselowski conseguiu vencer pela primeira vez em Daytona e deu à Penske a 100ª vitória na Sprint Cup Series. Keselowski dominou a corrida e conseguiu levar o seu esforço a bom porto. Esta foi a sua terceira vitória esta temporada.

Kyle Busch terminou em 2º, com Trevor Bayne, que esteve envolvido num acidente perto do final, a surpreender tudo e todos com uma recuperação supersónica nas últimas voltas, terminando em 3º.

Joey Logano foi 4º e foi uma grande ajuda para a vitória de Keselowski, com Ricky Stenhouse, Jr. num bom 5º lugar, seguido por Kyle Larson, Austin Dillon, Greg Biffle, que terminou em 8º apesar de ter estado no Big One, Clint Bowyer (#15) fez um brilharete com o 9º lugar e Michael McDowell (#95) a ser outro nome surpreendente nos 10 primeiros.

Outros resultados: Denny Hamlin foi 17º, Dale Earnhardt, Jr. foi 21º, Carl Edwards foi 25º, Tony Stewart foi 27º mas mesmo assim já está nos 30 primeiros no campeonato, Matt Kenseth foi 28º, Martin Truex, Jr. foi 29º, Chase Elliott foi 32º, Jimmie Johnson foi 35º e Kevin Harvick foi 39º.

Depois de Daytona a próxima prova será na oval de Kentucky.

Resultados das 400 milhas de Daytona

Jorge Covas

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.