MotoGP – GoPro Motorrad Grand Prix Deutschland

 

Antes da pausa de verão, o MotoGP foi até Sachsenring na Alemanha.

Marc Márquez (#93) fez a pole e ainda “ajudou” Héctor Barberá (#8) a chegar ao 2º lugar na grelha. Barberá seguiu na roda de Márquez e conseguiu assim assinar bons tempos. Valentino Rossi (#46), que procurava recuperar pontos face a Márquez no campeonato, partiu de 3º, com Danilo Petrucci (#9) no 4º posto, a mostrar bom ritmo na sua Ducati, Pol Espargaró (#44) em 5º e Maverick Viñales (#25) em 6º.

Destaque pela negativa para Dani Pedrosa (#26), apenas em 10º e Jorge Lorenzo (#99), que sofreu três quedas em todo o fim de semana, duas só na qualificação, a partir apenas do 11º lugar, e não se previam grandes melhorias na corrida para o piloto da Yamaha.

Previa-se chuva para este domingo e a previsão confirmou-se. Todos os pilotos colocaram pneus de chuva para o arranque da corrida.

Na largada, Márquez fez o suficiente para chegar à curva 1 na frente, com Rossi a passar Barberá. O espanhol caiu para 5º no final da volta.
Andrea Dovizioso (#4) começou muito bem e passou rapidamente de 7º para 3º.
Na curva 3, Rossi surpreende Márquez e passa-o por dentro para assumir a liderança e, na curva 9, Dovizioso também deixou Márquez para trás. Márquez tinha agora que lidar com a pressão de Petrucci, que se mostrava rápido na primeira volta. O italiano eventualmente superou o piloto da Honda.

Dovizioso mostrava-se a Rossi e, tal como tinha feito a Márquez, passou o seu compatriota na curva 9, saindo com muito mais tração dessa curva do que Rossi, chegando à liderança.
Uma volta depois era Petrucci a colocar duas Ducati nos dois primeiros lugares com uma boa manobra por dentro de Rossi na difícil travagem para a Sachsen Kurve.

Mais atrás era Jack Miller (#43) que estava a voar. Inspirado pela sua vitória na chuva em Assen, o jovem australiano voltava a dar nas vistas em condições difíceis. Apesar de ter arrancado do 15º lugar, no final da primeira volta já estava em 6º e chegou ao 4º lugar, por troca com Márquez, ao fim de seis voltas.

As duas Ducati rodavam num ritmo elevado, e só mesmo Rossi conseguia seguir, mas Petrucci provavelmente abusou um pouco e sofreu um “low side” na curva 3 ao fim de 11 voltas, ficando no chão. O italiano remontou a sua Ducati, que ainda teve um princípio de incêndio e voltou às boxes para passar para a sua segunda mota, mas as suas esperanças de vencer esfumaram-se.
O azar de Petrucci deixava Dovizioso na frente de Rossi, com Barberá a subir o ritmo e a voltar ao 3º lugar, com Miller em 4º. Cal Crutchlow (#35) também chegava aos primeiros lugares depois de passar por Andrea Iannone (#29) e Dani Pedrosa, chegando ao grupo de Márquez, Miller, Barberá e Miller.
Ainda na volta 11, Marc Márquez comete um grande erro na entrada para a curva 9 e vai para a gravilha. A sua incursão fora de pista custou-lhe algum tempo e o espanhol caiu para 8º, atrás de Iannone.

Rossi teve algumas dificuldades e chegou a ser brevemente passado por Barberá na volta 14, mas o italiano respondeu bem e aumentou muito o ritmo, chegando-se rapidamente a Dovizioso, que tinha mais de dois segundos de vantagem.

Por esta altura, alguns pilotos colocavam pneus intermédios, como Iannone, mas nesta fase ainda não eram uma vantagem, mas Marc Márquez, em 7º, decidiu arriscar tudo e colocou pneus para piso seco. Apesar de ter perdido tempo e algumas posições, e de ainda existirem alguns pontos críticos da pista com água, Márquez foi paciente e em três voltas começou a ganhar mais de cinco segundos por volta aos líderes.

Estranhamente, e apesar da indicação das equipas para que os homens da frente parassem, estes acabaram por ficar em pista com pneus de chuva numa pista a secar rapidamente. Rossi tomou a iniciativa de parar e, exceto Miller, os seus adversários, Dovizioso, Barberá e Crutchlow, reagiram e pararam. Rossi teve uma aposta questionável e colocou pneus intermédios, enquanto que o resto apostou nos slicks, o que provou ser a aposta certa.
O tempo que os líderes ficaram fora foi excessivo, e Márquez subiu para o 2º lugar e tinha uma margem muito confortável para os seus rivais, e Scott Redding (#45), com pneus intermédios, foi dos primeiros a parar e estava agora em 3º. Rossi teve uma péssima saída das boxes e caiu para o 7º lugar.

Miller ficou em pista na esperança de chegar ao fim sem parar mas Márquez era seis segundos mais rápido. A ultrapassagem foi inevitável a seis voltas do fim, e Miller acabou por parar para slicks no final dessa volta.

Márquez tinha praticamente 20 segundos de vantagem para Redding, em 2º. O britânico tinha esperança de terminar no pódio mas Crutchlow, em 3º, e Dovizioso, em 4º, ambos com slicks, poderiam ainda apanhar o piloto da Pramac já no final da corrida.
E foi precisamente isso que aconteceu. Na última volta, Crutchlow travou muito tarde na entrada para a curva 1 e passou para o 2º lugar, e Dovizioso atirou-se para dentro na Sachsen Kurve e tirou o último lugar do pódio a Redding.

Com uma estratégia brilhante, Marc Márquez superou os seus rivais depois de uma corrida que estava a complicar-se antes de parar para slicks e venceu o Grande Prémio da Alemanha de uma forma magistral.

Cal Crutchlow finalmente teve um bom resultado numa temporada difícil até aqui, e assinou o 2º lugar, com Andrea Dovizioso a fechar no 3º posto.

Scott Redding fez um bom resultado, em 4º, mas estava visivelmente desapontado por ter perdido o pódio na última volta.
Andrea Iannone teve algumas dificuldades quando mudou para pneus intermédios mas recuperou para terminar em 5º, com Dani Pedrosa em 6º e Jack Miller em 7º.
Valentino Rossi sofreu com pneus intermédios nas últimas voltas e não foi além do 8º lugar, perdendo muitos pontos para Márquez no campeonato. Héctor Barberá foi 9º mas era perfeitamente capaz de fazer melhor, e Álvaro Bautista (#19) fechou os 10 primeiros.

Pela negativa, Maverick Viñales teve dificuldades à chuva com a Suzuki e foi 12º, e Jorge Lorenzo esteve completamente fora do ritmo dos líderes e não foi além do 15º e último lugar pontuável numa corrida para esquecer.

No campeonato, Márquez tem 170 pontos, com Lorenzo em 2º, com 122, e Rossi em 3º com 111.

Em Moto2, Johann Zarco (#5) (Kalex) foi o vencedor, com Miguel Oliveira (#44) (Kalex) a ser uma das vítimas da pista molhada, sofrendo uma queda nas voltas iniciais, acabando por abandonar.
Em Moto3, Khairul Idham Pawi (#89) (Honda) venceu pela segunda vez nesta temporada, parecendo ser um mestre em condições difíceis, tal como na Argentina.

O MotoGP regressa a 12-14 de agosto para o regresso do Grande Prémio da Áustria no Red Bull Ring.

 

Jorge Covas

Advertisement

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.