F1 – GP do Japão: Antevisão

É com um entusiasmo contagiante que os fãs japoneses recebem o grande circo na 17ª jornada do campeonato do mundo de F1. Apesar do povo japonês ser conhecido pela sua extravagância com todos eventos realizados no seu pais, algo ainda visível pelas fotos que nos chegam do outro lado do mundo, também uma foto onde se vê Alonso tranquilamente a viajar de metro é a prova que a loucura dos anos 80 da F1 no Japão é mesmo coisa do passado.

O circuito de Suzuka é sem margem para dúvidas uma das melhores pistas do mundo pelo constante desafio que coloca aos pilotos: construída em 1962 como circuito de testes da Honda, é um dos poucos circuitos do mundo em forma de ‘oito’. Repleto  de curvas rápidas e rectas consideráveis, este GP contribui anualmente para as melhores ultrapassagens da temporada. Seja da boca dos fãs ou dos pilotos, é reconhecido como um dos circuitos mais entusiasmantes do calendário. E esta opinião não se restringe apenas ao mundo da F1, pois o circuito já teve (e tem) outras modalidades: Endurance, WTCC, Moto GP, Super GT, Super Formula, etc.

637423-and-this-is-the-result--a-great-panorama-of-the-Suzuka-circuit-1

Historicamente este GP encontra-se quase sempre na recta final do temporada, já tendo sido palco da decisão de 13 campeonatos mundiais. Que o digam os fãs mais antigos, que tiveram o privilégio de assistir ao confronto Senna-Prost em 88 e 89! Tal como em 2000, depois de uma longa batalha com Mika HakkinenMichael Schumacher assegurou a vitória e o seu 1º título pela Ferrari. Mais recentemente tivemos Sebastian Vettel a fechar aqui as contas do bi-campeonato de 2011.

Apesar da simplicidade do desenho, é um circuito bastante técnico que requer muito dos pilotos e engenheiros. As rectas exigem que o monolugar extraia o máximo da sua velocidade, que por norma se consegue retirando alguma carga aerodinâmica, algo fora de questão neste traçado que exige muito da aerodinâmica e do chassis. O tempo que se consegue ganhar nas secções mais sinuosas compensa o tempo que se perde em recta e como tal, os melhores chassis terão novamente uma palavra a dizer neste traçado.

Infelizmente Suzuka é agora também lembrado por motivos menos alegres. Fez ontem 2 anos que Jules Bianchi sofreu um terrível acidente na curva Dunlop, onde embateu contra uma máquina que tentava tirar o Sauber de Sutil. A polémica em torno do acidente foi grande e a forma como a organização não antecipou a corrida e a não entrada do Safety Car ainda hoje fazem muitos torcer o nariz. E foi depois deste acidente que o Virtual Safety Car foi implementado. A única certeza que ficou é que perdemos um jovem cheio de potencial e um grande talento.

 

 

Pontos de interesse:

 

Hamilton vs Rosberg:

Sempre o grande ponto de interesse mais ainda depois da polémica do passado fim de semana. O britânico ficou com o Mercedes a fumegar já na parte final da corrida e viu passar por ele os Red Bull e, pior ainda, Nico Rosberg em direcção ao pódio. A reacção do piloto depois da corrida foi sintomática: “alguém ou algo não quer que eu ganhe”. Uma afirmação dura mas que durante esta semana foi amaciada com juras de confiança na equipa por parte do piloto pelas redes sociais. Quem se vai rindo disto tudo é Rosberg que tem agora uma vantagem confortável para encarar as 5 finais que aí vêm. Rosberg tem apresentado em 2016 o que lhe faltou nos 2 anos anteriores… está calmo, muito confiante e muito mais confortável com o carro. Não será fácil a Hamilton conseguir levar a melhor sobre o alemão mas se conseguir será um feito enorme. Suzuka é um traçado ao jeito de Hamilton… será que recupera? A Mercedes anunciou que vai introduzir novas especificações nos motores para evitar que a falha se volte a repetir (perda de pressão de óleo por falha num rolamento), adiando também a entrega de motores às equipas clientes, o que vai fazer com que a Williams, Force India e Manor tenham de poupar mais a mecânica até o GP do EUA.

 

14390958_10153856451772411_1315574021277119839_n

 

Red Bull: Será que vem lá mais um sorriso rasgado?

Sonhar com mais uma vitória da Red Bull é bom mas a realidade mostra que isso será pouco provável. Não é expectável que os acontecimentos do passado fim de semana se repitam mas o que é muito provável é que a Red Bull coloque em sentido os flechas de prata. Num traçado com  muita exigência para os chassis, o RB12 é a máquina ideal para fazer frente aos Mercedes. Ricciardo não se farta de beber champanhe pelo sapato e é claramente o homem em melhor forma do grid. A corrida da Malásia foi uma injecção de moral tremenda… não só mostrou a Verstappen que tem ainda de esperar pela sua vez para ser a estrela da companhia como conseguiu a tão desejada vitória em 2016. A Red Bull não poderia estar mais satisfeita com a actual dupla de pilotos. Os resultados são excelentes (tendo em conta as expectativas iniciais) e ambos ajudam (e de que maneira) na divulgação da marca. É impossível não gostar do estilo genuíno e descontraído de Ricciardo e Max anda a espalhar “mimos” pelos grandes do grid sem papas na língua. Apostamos que um deles irá ao pódio este fim de semana.

 

Ferrari: andar descalço sobre brasas

A pressão acentua-se pelos lados de Maranello e nem Vettel escapa às criticas, com a imprensa italiana a não perdoar os últimos desempenhos menos conseguidos do alemão, apontando-o como um dos responsáveis pelo mau momento da Ferrari.  É verdade que tem Seb tem estado abaixo do espectável mas não é o único responsável e a Scuderia está a demorar a encontrar soluções para a falta de andamento do carro. Já Kimi tem sido o “salvador da pátria” e até já ultrapassou o seu companheiro de equipa na tabela classificativa. Se estamos à espera de ver a Ferrari melhor do que se apresentou na Malásia? Não, até porque este traçado é ainda mais complicado ao nível das afinações e como tal parece-nos que ficarão de novo atrás da Red Bull, o que irá piorar a situação de Arrivabene e companhia.

 

Meio da Tabela: Vem lá a McLaren

Já tivemos de comprar creme para as mãos de tantas vezes as esfregarmos dizendo “é desta que a McLaren vai dar que falar”. Desta vez vamos ser mais comedidos no entanto vendo os passos da equipa nas últimas corridas, é possivel que a McLaren tenha capacidade para ir ao top 5. A nova actualização do motor será usada em Suzuka e a equipa espera que traga resultados visíveis. As melhorias são ao nível da fiabilidade o que não traz muito ganho de potencia mas que permitirá que o motor rode no máximo mais tempo sem receios de falhas (esperamos nós). O chassis já mostrou que tem qualidade por isso resta ver se esta nova combinação trará frutos. Alonso esse garantidamente está em forma. O espanhol tem sido um dos melhores ( o espanhol dava de avanço se estivesse num Mercedes neste momento) e tem mostrado que as suas qualidades se mantêm intactas. E mesmo Button está mais confiante e com outro ritmo. A McLaren poderá aproveitar o facto da Force India e Williams terem de se prudentes com os motores para tirar alguma vantagem. As duas equipas que lutam pelo 4º lugar preparam-se para mais um round que se espera novamente muito equilibrado. A Toro Rosso tentará tirar partido do bom chassis para colocar um piloto no top10 tarefa que se adivinha complicada mas não impossível.

 

Fim da Tabela: Mais pontos para a Renault

Depois do ponto conquistado por Palmer a marca francesa aumentou a fasquia e pretende agora pontuar com os  2 carros… Com esse chassis? Boa sorte com isso! No entanto saúda-se a vontade da equipa, pois é sinal que a confiança aumentou. A Haas terá de rever muita coisa no futuro mas não será certamente numa semana que conseguirão resolver definitivamente os muitos problemas que assolaram os carros na prova malaia. E numa pista como Suzuka não ter travões fiáveis é meio caminho para um mau resultado até pela falta de confiança dos pilotos. Manor terá com certeza o último lugar do GP reservado… Para um carro que gera muito pouco apoio aerodinâmico, não se espera mais. Interesse renovado na luta entre os miúdos Wehrlein e Ocon.

Dados da pista

Comprimento: 5.807 km

Voltas: 53

Distância de corrida: 307,47 Km

Volta record em corrida: Kimi Raikonnen, 2005, 1:31:540

Volta record: Michael Schumacher, 2006, (1:28:954)

Nível aerodinâmico: Médio-Alto

Pneus : Macios, Médios e Duros

 

Horários

Traçado da pista

Sem Título

Onboard da pista

No ano passado foi assim

 

 

 

 

Fábio Mendes

Marcos Gonçalves

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.