F1 – GP do Japão: Análise às equipas

 

Suzuka é um dos nossos palcos preferidos e no domingo passado tivemos a confirmação de que de facto é uma pista de excelência para qualquer modalidade do desporto automóvel. A forma iluminada como este traçado foi desenhado ainda hoje é motivo de rasgados sorrisos. Quanto à corrida…foi boa, com muitas ultrapassagens um vencedor que não teve muito trabalho e uma equipa que conquistou o tri-campeonato de construtores.

 

Mercedes: Tri conquistado e obrigação cumprida

Não era uma questão de “se” mas sim uma questão de “quando”. A vitória da Mercedes no campeonato de construtores era um dado praticamente adquirido até pela pálida prestação da Ferrari, única equipa com condições de tentar fazer frente aos Mercedes. No entanto os italianos estão a ter um ano mau e assim a Mercedes ficou novamente com via aberta para o título, o terceiro consecutivo nesta era dos híbridos. Não é demais parabenizar este projecto que começou pelas mãos de Ross Brawn e que em 2014 viu os frutos de um trabalho exaustivo feito para a adaptação às novas regulamentações. Não têm tido adversários à altura e só com a nova mudança nas regras é que esta situação poderá ser revertida. Mesmo assim os flechas de prata mantêm-se a grande força do grid e só um passo mal ponderado poderá retirar a equipa do top no futuro a curto prazo. Quanto aos pilotos, Hamilton teve um fim de semana para esquecer: Começou com o pé esquerdo na conferencia de imprensa, desrespeitando os jornalistas, continuou com uma atitude de “diva” ao recusar falar com a imprensa na sexta feira, no sábado ficou novamente atrás do seu colega de equipa (por pouco mais de 0.083 seg) e no domingo borrou novamente a pintura na largada. A zona da recta da meta estava molhada e isso prejudicou o piloto  mas maus arranques têm sido recorrentes e a corrida ficou logo condicionada aí. Até ao final foi só correr atrás do prejuízo. Mas é agora claro que Hamilton está pressionado e que dificilmente chegará a Rosberg até ao final… Quanto a Rosberg, mais uma vitória sem espinhas, a vantagem no campeonato alargada e já uma mão no titulo. Nota de destaque para a atitude de Hamilton que não quis seguir com o protesto sobre Verstappen pela manobra de defesa na chicane afirmando que não ia mudar o desfecho da corrida que deu o campeonato à equipa.

Nico Rosberg: Nota 9

Lewis Hamilton: Nota 7

Mercedes: Nota 10

 

Red Bull: Verstappen não dava para porteiro

A forma como o holandês fecha a porta aos adversários chega a meter medo… O rapaz não anda na F1 para fazer amigos  e é feroz quando tem de defender o seu espaço… Às vezes demais. Não somos muito apologistas da forma como defende, a FIA também começa a deixar de achar piada e apostamos que da próxima vez que repetir a graça vai “levar com a ripa” por parte dos comissários. Mudar de trajectória na zona de travagem é perigoso e pode correr muito mal. Somos  totalmente a favor da atitude e postura de Verstappen em pista mas neste caso é difícil de gostar da forma como se defende. Mas nada disso mancha o excelente fim de semana que teve em Suzuka, subindo ao pódio mais uma vez. Já Ricciardo teve um fim de semana mais pálido, ficando-se pelo 6º lugar mas a sua unidade motriz não estava nas melhores condições e faltou alguma velocidade de ponta ao australiano. Segundo Horner um problema no medidor de fluxo de combustível poderá ter sido a causa da menor performance do Sr Sorrisos.

 

Max Verstappen: Nota 9

Daniel Ricciardo: Nota 8

Red Bull: Nota 8

 

 

Ferrari: O flagelo das bandeiras azuis

O hit do ano na Scuderia é claramente o “Blue Flags” de Seb Vettel. O alemão tem se queixado muitas vezes de que os pilotos retardatários não lhe saem do caminho da forma como ele queria e em Suzuka, o alemão fez uma dissertação sobre a situação pelo rádio (qualquer comum mortal apenas conseguira dizer monossílabos dentro de um F1). Na verdade o alemão tinha alguma razão no seu queixume pois perdeu tempo valioso para Hamilton e por causa disso que viu o britânico acabar à sua frente. No entanto os retardatários fazem parte das corridas e tem de ser um factor a ter em conta. Já muito fazem eles ao tentar fazer a corrida deles e ter atenção ao retrovisor. Mas ambos os pilotos da Ferrari fizeram boas corridas e Kimi teve azar com a sua troca de caixa e a consequente penalização, pois mostrou andamento para tentar o pódio. O problema neste fim de semana não foram os pilotos mas sim a máquina que continua a não ter argumentos para fazer melhor. Vettel está a começar a ficar desagradado com a situação e já se fala que a relação com Arrivabene não é a melhor e se a situação piorar nem temos dúvidas que quem vai saltar fora… e não é Vettel.

Sebastian Vettel: Nota 8

Kimi Raikkonen: Nota 8

Ferrari: Nota 7

 

Force India: 4º lugar cada vez mais uma realidade

Mais um fim de semana onde conseguiram ganhar pontos à Williams. A Force India estará a fazer a melhor época de sempre, apenas e só por estarem a ser consistentes ao longo de todo o ano. Nos anos anteriores apenas tínhamos direito a uma Force India forte em metades do campeonato, mas este ano a equipa deu um passo em frente e consegue manter-se muito regular mesmo nesta fase final. Perez e Hulkenberg estão em boa forma e mais uma vez conseguiram uma boa colheita de pontos que permitiu alargar ligeiramente a vantagem para a Williams. Na verdade se tivéssemos de apostar agora num favorito para o 4º posto a Force era a escolhida. Bem vistas as coisas é a equipa que está no melhor momento de forma, que tem um carro mais equilibrado e que tem a dupla de pilotos que está muito bem. E se conseguirem, fazemos a festa deste lado.

Sérgio Perez: Nota 8

Nico Hulkenberg: Nota 7

Force India: Nota 9

 

 

Williams: Novamente atrás da Force

A qualificação indiciava um fim de semana penoso para a Williams, com os Haas a roubarem os seus lugares no top10. Mas uma estratégia de uma paragem para ambos os pilotos permitiu que recuperassem posições e subissem até aos pontos (os Haas em corrida deixam de ser ameaça). Bottas e Massa tiveram prestações muito semelhantes e positivas, embora não conseguissem o objectivo de superar a Force India. Esperávamos mais de Massa nestas últimas corridas, uma vez que contávamos que o brasileiro se quisesse despedir em grande da F1 mas a maquinaria à disposição também não permite grandes veleidades.

Felipe Massa: Nota 8

Valtteri Bottas: Nota8

Williams: Nota 8

 

 

Haas: os donos do 11º lugar

Já perdemos a conta à quantidade de vezes que a Haas ficou no 11º lugar. Surpreenderam na qualificação ao roubarem as vagas da Q3 à Williams mas em corrida foram novamente incapazes de lutar pelos pontos. Grosjean ficou desta vez no 11º, uma maldição que parecia estar entregue apenas a Gutierrez. O mexicano por sua vez foi vitima da má estratégia da equipa que atirou o piloto para o meio do trânsito na sua segunda paragem o que estragou a sua corrida. Boas noticias no entanto, os problemas nos travões não voltaram a aparecer… pelo menos para já.

Romain Grosjean: Nota 7

Esteban Gutierrez: Nota 6

Haas: Nota 6

 

 

 

Renault: Palmer de novo melhor

Magnussen está num momento de forma menos positivo e quem está a aproveitar é Palmer, que voltou a ficar à frente do seu colega de equipa. O britânico tem cada vez mais a corda ao pescoço e os rumores na Renault são mais que muitos. Hulkneberg e Bottas são os nomes mais falados nos últimos dias para a equipa francesa mas nada está definido por enquanto. É pena que o piloto não tenha mostrado este andamento no início e é pena que a Renault não lhe dê nova oportunidade mas estas mudanças poderão apimentar as movimentações e tornar o grid ainda mais interessante.

 

Joylon Palmer: Nota 7

Kevin Magnussen: Nota 6

Renault: Nota 6

 

Toro Rosso: Kvyat em evidência

O russo está de regresso às boas exibições e embora o 13º não o indique, foi uma boa corrida por parte do russo que fez bem melhor que o colega de equipa Sainz. O espanhol foi um dos nomes falados para a Renault mas a Red Bull vetou a sua saída. Haverá algum factor psicológico a afectar o piloto? No entanto saúda-se  a melhoria de forma de Kvyat que assim está a mostrar argumentos para se manter na F1.

Daniil Kvyat: Nota 7

Carlos Sainz: Nota 6

Toro Rosso: Nota 6

 

Sauber: Ericsson bem melhor que Nasr

O sueco foi 15º, mas se compararmos com o 19º de Nasr não é nada mau. O brasileiro hipotecou as chances de um bom resultado quando queimou uma travagem e danificou os pneus, obrigando-o a vir às boxes mais cedo por causa da vibração. O 2º stint foi demasiado longo e com isso o brasileiro perdeu ritmo. A equipa poderia ter repensado a estratégia mas assim quem lucrou foi Ericsson. Já se fala que Nasr poderá ficar na Sauber o que é bom para a equipa que recebe o dinheiro do brasileiro, e é bom para Nasr que não tem mostrado o suficiente para dar o salto ainda.

Marcus Ericsson: Nota 6

Felipe Nasr: Nota 5

Sauber: Nota 6

 

 

 

McLaren: Vergonha em casa

Esperava-se mais, muito mais da McLaren. Uma desilusão completa por parte da equipa que prometeu um bom resultado a jogar em casa do fornecedor de motores. Nunca apresentaram ritmo decente e a premissa de que o chassis é bom ficou em cheque pois num traçado exigente ficaram muito aquém do que era previsível. Uma prestação miserável onde os pilotos também deram uma pálida amostra da sua qualidade não por culpa própria mas sim por culpa do material à disposição. Mau demais.

Fernando Alonso: Nota6

Jenson Button: Nota 6

McLaren: Nota 4

 

 

Manor: Ocon melhor em todas as frentes

Enquanto Haryanto era o companheiro de equipa de Wehrlein as coisas eram relativamente fáceis para o alemão. Agora com Ocon, tudo mudou de figura e depois de umas primeiras corridas onde não se evidenciou, começa agora a mostrar o seu talento. O que é óptimo pois estes dois rapazes precisam de este tipo de picardias para evoluir. Fala-se de Wehrlein para a Force India, o que não seria má opção mas preferíamos ver estes dois na mesma equipa em 2017, lutando entre si e evoluindo. Desta vez foi o francês a levar a melhor mas esta é das lutas mais renhidas do grid.

Esteban Ocon: Nota7

Pascal Wehrlein: Nota 6

Manor: Nota 5

 

 

 

Campeonato de pilotos:

 

sem-titulo

 

 

 

Fábio Mendes

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.