Garagem de sonho: Os 15 mais bonitos

Sonhar não paga imposto e todos temos a tendência a sonhar com a nossa garagem perfeita caso um dia a sorte nos sorria de tal forma que na nossa conta surjam números com mais de 6 algarismos. A escolha não é fácil… nada fácil mesmo, pois o mundo automóvel brindou-nos com tantas pérolas que escolher torna-se num exercício penoso. Mas demos voz ao masoquista que há dentro de nós e fizemos uma lista de 15 carros que gostaríamos de ter na nossa garagem perfeita. Critério de selecção? Apenas e só a beleza. Não quisemos saber se o carro era bom ou não, apenas deixamos a nossa criança interior falar e escolher só pelo aspecto exterior. Eis o resultado cuja a ordem é apenas aleatória pois já nos bastou ter de escolher estes 15. Escolher o mais bonito destes levar-nos-ia ao esgotamento nervoso.

 

#1 – Jaguar E-Type

Enzo Ferrari disse que o E-Type era o carro mais bonito alguma vez feito… e somos obrigados a concordar com ele. Construído de 1961 até 1975, o E-Type foi um sucesso desde início e arrasou corações. São conhecidas 3 versões do carro, do Serie 1 ao Serie 3, sendo que o Serie 1 é considerado o puro E-Type, especialmente na versão com a motorização 4.2L (inicialmente o motor era um 3.8L, ambos 6 cilindros em linha) capaz de atingir os 240 km/h e uma aceleração dos 0 aos 100 abaixo dos 7 segundos. O E-Type tinha velocidade e tinha uma beleza arrasadora. O Roadster é aquele que mais nos faz suar. Ultimamente a Eagle passou a refinar os E-Type e provou-nos que é possível melhorar o que é perfeito.

 

#2 Volvo P1800

O problema destas listas é que o gosto pessoal influencia muito e nem sempre o que uns acham bonito outros irão concordar. Mas o P1800 é carro que embora não seja deslumbrante, tem um carácter que o torna irresistível. O P1800 foi construído de 1961 a 1973, Pelle Petterson foi o homem responsável pelas linhas do carro, algo que foi só admitido pela marca em 2009, pois antes juravam a pés juntos que o design era de Pietro Frua. O primeiro motor era um 1.8L. 4 cilindros em linha, tendo surgido uma motorização maior posteriormente (2.0l). Inicialmente a produção dos carros foi feita na fabrica da Jensen mas a qualidade de construção deixou a desejar e os suecos tomaram o assunto em mãos passando a produção para as suas instalações. Mas independentemente disto tudo, saltam à vista as formas da carroçaria que espantaria quem só conhecia os Volvos de há 15/20 anos atrás. Os suecos também sabem fazer carros bonitos.

 

 

#3 Mercedes 300SL

Um clássico da Mercedes e uma das primeiras versões que vieram da pista para a estrada. O 300SL foi baseado no W194, um carro de competição da marca alemã que venceu as 24h de Le Mans. O 300SL foi um desafio de Max Hoffman, importador da Mercedes nos EUA. Com um motor 6 Cilindros, 3.0L, injecção directa (primeiro carro com esta tecnologia), para além de lindo foi o carro mais rápido do mundo naquela época (260 Km/h), a sua produção começou em 1955 até 57 para a emblemática versão Gullwing e de 57 a 63 na versão roadster. O seu sucessor seria também bem vindo a esta garagem mas o SLS AMG não tem a classe do 300SL.

 

 

#4 Alfa Romeo 33 Stradale

Uma lista desta sem pelo menos um Alfa Romeo nem faz sentido… e este é bem especial. Baseado no Tipo 33, um protótipo de competição o Stradale vinha com um motor 2.0L V8 com 230 Cv. Foi  desenhado por Franco Scaglione e apenas 18 exemplares foram feitos o que o torna raro… e caro. Se já na altura era um carro extremamente dispendioso, o preço agora não ficou mais meigo chegando facilmente aos 10 milhões de euros. Mas é um carro belíssimo, com umas curvas de morrer e um carácter inimitável que só os Alfas têm.

 

 

#5 Ferrari 250 GT California

A serie 250 da Ferrari é toda ela um regalo para os olhos, desde os carros de competição até aos GT. Mas no meio de tanta beleza há um mais especial… o GT California. Construído para ser levado para os “States”, o 250 GT Califórnia é a versão cabelos ao vento do 250, com o motor da versão Tour de France (motor 3.0L V12 com 237 Cv). Mas que se lixem os números… a magia está na carroçaria que ganha um toque ainda mais dramático sem o tejadilho. É daqueles carros com que sonhamos conduzir à beira mar com um por do sol e uma modelo deslumbrante ao lado. Se não puder ser um destes, pode ser o 250 Le Mans… é que tenho uma miniatura deste modelo desde miúdo e também gosto muito!

 

#6 Aston Martin DB5

Bond… James Bond. É impossível dissociar o espião inglês de Ian Fleming e a máquina criada pela Aston Martin em 1963. A carroçaria não foi bem criada pela Aston, mas sim pela Carrozzeria Touring Superleggera, responsável por obras de arte sobre rodas absolutamente fantásticas (a mais recente criação é o Alfa Romeo Disco Volante, que podia perfeitamente estar nesta lista). Bond é sinónimo de bons relógios, boas mulheres e bons carros. Mas antes do DB5 o historial do espião inglês ao nível automobilístico não era o melhor. Mas no filme Goldfinger, Bond foi apresentado ao belíssimo modelo britânico e desde aí nunca mais se separaram (na verdade andaram uns tempos desencontrados mas nada de grave). O motor 4.0L 6 Cilindros com 282 Cv, dava vida à máquina que para sempre ficará na história dos filmes e do automobilismo. O chassis original usado no filme tinha mesmo todos os gadgets que vimos na tela mas a Aston resolveu vender o carro sem os brinquedos… claro que os novos donos os voltaram a colocar lá… quem não o faria! Mas o DB5 não pode ser apenas recordado como o carro do Bond… só por sim é um automóvel único, que merece ser recordado, sem espiões à mistura. Vá, talvez com um Vodka Martini na mão.

 

#7 Lamborghini Miura

O primeiro super-carro dirão alguns. O primeiro carro com o motor a meio do chassis isso é certo. O Miura foi o primeiro grande sucesso da Lamborghini, cuja história vem de uma discussão entre Ferruccio Lamborghini, que tinha comprado um Ferrari mas que achava que algumas coisas podiam ser melhoradas. Enzo Ferrari ouviu as queixas de Lamborghini mandou-o dar uma volta. Ferruccio tinha enriquecido a fazer tractores  e resolveu mostrar a Ferrari como se faziam carros e o Miura foi o primeiro grande trunfo e percebe-se bem porquê. Um conceito completamente novo e uma carroçaria linda de morrer, de tal forma que o concept car feito recentemente com base no Miura tem apenas ligeiras alterações em relação ao modelo original. A beleza é intemporal e o Miura é um dos carro mais belos de sempre. Apenas 764 foram feitos, mas o rugido do V12 Lamborghini começou em 1966 com esta obra de arte.

 

#8 Ford Mustang

O Mustang é o nosso representante dos “Muscle Cars”… Estivemos indecisos entre o Mustang e o Dodge Charger mas a escolha recaiu no mítico Mustang… se calhar o nosso Steve McQueen interior falou mais alto. Desde 1965 que o Mustang foi um sucesso e logo no primeiro ano as vendas dispararam. Pela primeira vez os clientes tinham várias opções quer ao nível do aspecto quer ao nível do motor, desde um V6 até ao mítico V8. Até ao Mach 1 poderíamos escolher um de olhos fechados… A partir daí se calhar éramos capazes de deixar a oportunidade passar e até as novas versões não nos convencem. Mas os primeiros anos do Mustang foram um regalo para a vista.

 

#9 Lancia Stratos

Uma garagem perfeita sem um Lancia não faria muito sentido. E até ao último minuto o escolhido para esta lista era o Fulvia, mas o Stratos falou mais alto. Fruto da primeira parceria entre Bertone e a Lancia, o Stratos veio substituir o Fulvia que brilhou nos ralis. Mas a idade não perdoava e era preciso um substituto para o Fulvia e Bertone tratou disso mesmo. Pegou num Fulvia de um amigo, modificou-o com a forma que pretendia e apareceu na fábrica da Lancia com o carro. O resto é história: o motor V6 2.4 veio de um Ferrari Dino e o domínio nos ralis fala por si. Na estrada apenas se viram 490, mas o seu desenho único marcou uma geração.

 

 

#10 Ford GT40

Querem fazer um carro que ficará para sempre na história… tratem de chatear-se com a Ferrari. Foi assim que o GT 40 também nasceu, tal como o Miura. Enzo Ferrari tinha vontade de vender a empresa e Henry Ford II estava com vontade de comprar. O negócio estava bem encaminhado até que Enzo Ferrari encontrou um pormenor de que não gostou… A Ford não queria que a Ferrari participasse na Indianapolis 500 e Enzo  Ferrari queria manter o controlo na parte do desporto motorizado. Com este desacordo, Enzo Ferrari abortou as negociações e Henry Ford II ficou a arder com o dinheiro gasto e com a nega. Esse ódio levou a investir nas corridas Endurance onde a Ferrari dominava, especialmente em Le Mans e fez o que pôde para terminar com esse domínio. Estávamos em 1963 e em 64 o GT 40 surgia fruto de uma cooperação com a Lola. Mas só com quando Carol Shelby pegou no projecto a tão desejada vitória surgiu, em 1966, repetindo façanha por mais 3 vezes consecutivas. O coração da máquina era um V8 mas o que realmente apaixonou os fãs foram as formas inconfundíveis.

 

 

#11 Citroen SM

Sabem aquela rapariga da escola que não era muito bonita mas por algum motivo era atraente? O SM é um pouco isso. Um carro que muitos poderão não considerar bonito mas que tem tanto carácter e tanto charme que somos obrigados a coloca-lo aqui. O SM é um descendente directo do mítico DS… mas então porque não colocar o DS nesta lista? Porque o SM, para além de esteticamente mais refinado, tem debaixo do capot um motor Maserati V6. O SM surgiu numa altura em que na Citroen não havia limites nem convenções; havia apenas uma folha em branco e muita imaginação. Mas além do visual completamente fora do vulgar, o SM tinha a seu favor um conjunto de inovações tecnológicas desde discos de travões a jantes de compostos leves, até luzes que mudavam de direcção de acordo com o ângulo de viragem. É ainda hoje considerado um dos carros mais confortáveis de sempre graças à famosa suspensão hidráulica. Mas é algo digno de ser visto e revisto, tanto no interior como no exterior.

 

#12 Alfa Romeo  8C

Ainda hoje me lembro do que senti quando vi uma foto do 8C. Fiquei de boca aberta e só consegui dizer “uau”! Não sou a melhor pessoa para falar deste carro pois sou um verdadeiro apaixonado pelas suas formas. O que a Alfa Romeo fez foi uma obra de arte sobre rodas… Algo inigualável. Construído entre 2007 e 2010 apenas 1000 foram feitos (500 para o coupé e 500 para o roadster) equipado com  um V8 4.7L. O 8C é tudo aquilo que um Alfa deve ser ao nível estético. Wolfgang Egger merece uma medalha por ter criado algo tão belo.

 

 

#13 Jaguar F-Type

O fantasma do E-Type encarnou e não podia ter um melhor sucessor. O F-Type é provavelmente uma das mais belas criações dos últimos anos da indústria automóvel. As sua linhas simples mas irresistíveis fazem lembrar o E-Type, algo que se pretendia.  Com várias motorizações e várias versões, o F-Type conquistou pela sobriedade das linhas e pela classe. Tentar recriar um E-Type seria sempre uma tarefa difícil e ingrata mas a Jaguar, pela mão de Ian Callum, conseguiu. O F-Type dá-nos vontade de passear pelos lagos italianos, o Coupé de nos tornarmos espiões cujo combustível é álcool e mulheres e o SVR de meter o capacete e desfazer pneu numa pista qualquer. Quando se diz que os carros de hoje são todos iguais e não têm alma… pensem de novo.

 

#14 Aston Martin Vanquish S

Todos os Vanquish seriam bem vindos a esta lista mas o novo S encheu-nos as medidas. A história do Vanquish começou em 2001 e foi graças às suas linhas que Bond voltou a conduzir um Aston nos seus filmes, depois de vários anos a desfazer carros de outras marcas. As primeiras versões duraram até 2007 e em 2012 o nome Vanquish ressurgiu com novas formas para gáudio dos fãs. O novo S, que nos fez babar até à desidratação, tem um motor V12, 5.9L com 595 Cv. Mas o novo kit aerodinâmico é absolutamente divinal. O DB11 poderia ter sido também uma escolha sensata mas o Vanquish é mais arrojado nas suas formas… Não vale a pena tentar justificar a escolha. Provavelmente desse lado teriam escolhido outro e quem vos pode censurar por isso?

 

#15 Pagani Huayra

Pagani fez apenas 2 carros, mas os dois mudaram a forma como vimos os carros. O Zonda foi uma pedrada no charco ao nível do design e a Pagani conseguiu impor-se no mundo exclusivo dos super-carros. Mas o Huayra é uma das mais belas criações de sempre.  Em ambos se nota a filosofia de Horacio Pagani bem vincada… a funcionalidade de mãos dadas com a arte; a tecnologia aliada à beleza, tal como defendia Leonardo da Vinci, onde Pagani vai buscar inspiração.O Zonda foi inspirado nos carros de Le Mans e tinha como base para a sua filosofia o nome de Fangio. O Huayra teve como inspiração o vento (daí o nome, pois Huayra é o nome do deus Inca do vento) e a inspiração justifica o desenho. Mas não é só de beleza que se faz o Huayra… Os 720cv fazem desta máquina um animal feroz, que se consegue domar com relativa facilidade. Pagani é responsável por nos fazer sorrir. Num mundo de híbridos, funcionalidade e tecnologia, a marca italiana prova-nos que é ainda possível fazer carros com carácter… com alma. Num mundo obcecado com números, Pagani oferece os números e a beleza… pois sem beleza a vida não faz sentido.

 

 

 

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.