MartinsSpeed: ” O campeonato de Montanha tem um nível excelente”

Uma conversa que já deveria ter acontecido há algum tempo mas infelizmente só agora foi possível. A MartinsSpeed já habituou os fãs a bons resultados, independentemente da categoria onde compete e é uma das estruturas de qualidade do desporto motorizado nacional, com provas dadas a todos os níveis. Tivemos o gosto de falar com Luís Martins, que nos recebeu nas instalações da equipa e respondeu às nossas perguntas:

 

O ano passado foi um bom ano para a MartinsSpeed?

Os resultados desportivos foram bons. Ganhamos na Montanha com o Joaquim Teixeira, fizemos o Supercars em Vila Real e competimos também com o Golf no TCR Portugal em Portimão, sempre com resultados positivos. Em termos de resultados da empresa, já tivemos anos bem melhores.

Mas por algum motivo em especial?

No início do ano tínhamos os carros apalavrados e depois alguns pilotos falharam. Quando o campeonato arrancou, limitei-me em tentar arranjar pilotos prova a prova, o que já é muito difícil de gerir e já não há tanto interesse dos pilotos.

A prova do TCR foi aquilo que esperavam?

Sim, foi muito bom para nós podermos experimentar o Golf em competição com outros TCR2. Sabíamos que o Golf ainda estava abaixo do andamento do Seat Leon Supercopa, mas agora vamos fazer o upgrade para o tornar mais rápido. Era um carro que estava mais ou menos, 2.5s mais lento que o Supercopa. Com o upgrade, o carro vai ficar ao mesmo nível do Seat. Este [Golf GTi] foi um carro que saiu da linha de produção e colocaram-lhe umas suspensões e uns travões de competição, um roll-bar e pouco mais. Estivemos a tirar todo o peso extra que o carro tinha e faltam apenas algumas peças para o tornar um verdadeiro TCR2. O trabalho está praticamente concluído e o carro tem tudo para ser competitivo.

19894776_1508699435816943_5347596239985588148_n

Já teve oportunidade para testar o Seat Leon TCR que trocou pelo Megane V6?

O Joaquim Teixeira já o conduziu e deu algumas voltas. Estamos a agendar um teste para breve e queremos colocar os dois carros em pista ao mesmo tempo.  Mas para já as sessões foram muito boas e assim que ficarem concluídos os upgrades do Golf, ambas as máquinas ficam prontas para atacar a pista.

Já tem alguns interessados para o TCR?

Já. Tenho alguns bons contactos, mas no geral ainda está tudo por definir. Para a montanha, temos confirmado o Joaquim Teixeira com o Seat. Mas para já estão abertas boas perspetivas para ambos os carros.

Como é que vê a receptividade dos pilotos em relação aos TCR2?

O TCR2 é uma grande aposta. Estamos a ter mais procura para o TCR2 do que para o TCR, principalmente por causa dos custos. É pena existirem poucos carros nas grelhas, porque se houvesse era muito mais atractivo.

Fala-se em algumas saídas de pilotos do TCR. Como é que projecta que seja a época 2018?

Penso que em termos de carros em pista, devemos ter os mesmos que no ano passado. Embora seja um campeonato caro, tem boa visibilidade e grande procura. Não devemos ter dificuldade em colocar os TCR em pista por falta de pilotos, mas estou certo os TCC (TCR2) têm mais procura ainda, até porque já falei com outras equipas e eles sentem o mesmo. Começa-se a olhar de outra forma para esta classe.

Acha que existe a possibilidade de mais estruturas apostarem nos TCC?

Penso que sim. Não deveremos ter uma grelha muito extensa, mas com mais 3 ou 4 carros a juntar aos TCR e já tínhamos uma boa grelha para o nosso campeonato.

19959279_1508691002484453_8157062626979808480_n.jpg

A MartinsSpeed tem outros projectos em cima da mesa?

Sim, tenho o projecto do KIA Cup. Há vários interessados e quase de certeza vou adquirir um KIA Picanto GT. Aliás, tenho esse projecto muito mais adiantado que os dois do TCR, até porque os custos são mais baixos e o interesse dos pilotos é grande. Como coincide com o nacional de Velocidade e o de Montanha, para nós é excelente ao nível da logística. É uma competição muito interessante e com custos relativamente baixos, o que está a atrair muita gente.

Falou há pouco nos Supercars. O facto que apenas terem feito o circuito de Vila Real, trouxe alguma desvantagem para a equipa?

A prova foi engraçada e deu para colocar os excelentes carros que existem na Montanha na Velocidade. Era bom que se pudesse fazer mais isso pois a montanha tem carros espectaculares e é pena fazer só esse campeonato. Claro que ao colocar este carro nos Supercars, retirou a hipótese que havia de o colocar na grelha do TCR, mas isso aconteceu porque os custos eram mais baixos nos Supercars. Foi bom terem feito essa corrida. No entanto, se vão colocar duas provas onde os pilotos têm de decidir consoante os seus orçamentos, vão colocar mais entraves à entrada de mais pilotos no TCR, que é o que está no top internacional.

Acha que foi benéfico a troca dos protótipos no Nacional de Velocidade pelos TCR?

Durante vários anos tivemos grelhas mais compostas do que actualmente nos TCR, com custos muito mais controlados e são carros muito mais bonitos, mas eu sou suspeito a falar sobre isso, porque adoro os protótipos e os fórmulas. Os TCR têm um formato engraçado e temos que fazer do campeonato um sucesso. Os custos com pneus têm mesmo que baixar e os custos com as inscrições poderiam também ser menores, mas compreendo que, com o nível de promoção que a organização consegue, seja difícil baixar mais. É um campeonato com visibilidade.

Quais são os objectivos para 2018?

Temos que tentar títulos onde entramos, por isso lutamos sempre pela vitória. Felizmente isso tem acontecido sempre nos últimos anos, portanto é sinal que as coisas correm bem.

Os momentos antes da época começar são os mais stressantes?

Sim. Até aos pilotos confirmarem a entrada nos campeonatos é complicado gerir. Como nos aconteceu no ano passado, em que tínhamos tudo alinhavado para entrar na Montanha e interessados para o TCR. Tive que dar prioridade a quem chegou primeiro, mas depois fizemos duas provas e tivemos que encostar o carro, porque o piloto desistiu.

 joaquim teixeira

A montanha parece um campeonato muito sólido, com muitos fãs e bem organizado.

O campeonato de montanha está num patamar muito bom. A nível de publico está muito melhor que a velocidade, à excepção dos citadinos. O público está mais próximo dos carros, há uma maior proximidade de todos os envolvidos e há bons carros. A nível organizativo está a um nível excelente e têm melhorado a cada ano. Os responsáveis estão de parabéns pelo trabalho feito e este ano estão reservadas mais surpresas que irão melhorar o campeonato ainda mais.

Qual a rampa mais exigente do calendário?

Talvez a Falperra. Na minha opinião é aquela onde se anda mais depressa. Tem uma zona mais técnica mas depois é muito rápida e é aquela que eu sinto que desafia mais os pilotos. Há outras que são relativamente mais lentas por serem mais técnicas por isso a Falperra torna-se um desafio maior pelas grandes velocidades que se atingem. E há também o facto de pertencer ao europeu, o que dá aos pilotos mais motivação ainda.

Acha que o público de Vila Real segue as rampas?

Sim claramente. As rampas de Murça e Santa Marta têm muita gente daqui da cidade. Cada vez mais vejo pessoas conhecidas nas provas o que mostra bem o interesse que a competição desperta.

O que se podia mudar em Vila Real para melhorar o cenário do desporto Motorizado na cidade?

A nível de pilotos temos muitos e bons, por isso estamos bem servidos. Aquilo que eu sinto falta na cidade é uma pista de testes. As equipas locais poderiam evoluir muito mais se tivéssemos uma infraestrutura destas. Cada vez que temos de testar temos de ir a Braga com os custos que isso implica e os transportes. Com uma pista cá que permitisse às equipas testar de forma mais fácil, a evolução seria maior e até poderia atrair outro tipo de investimentos, pois acredito que seria um projecto rentável.

 teixeira

A conversa prolongou-se e ainda tivemos tempo para falar da mais recente parceria com a Garagem Veiga Competição, que irá continuar em 2018. Já tínhamos falado com João Sousa sobre o assunto e confirmamos que esta ideia é muito boa pois permite que duas boas estruturas do interior do país juntem forças e consigam fazer frente às grande estruturas nacionais. Não é frequente acontecerem este tipo de sinergias mas é com muito gosto que vemos esta  ideia avançar. Mostra visão e inteligência por parte dos responsáveis e merecem todo o crédito por isso. Há outras ideias na gaveta que em breve serão públicas e que irão agradar muito os fãs de automobilismo.

 

Resta-nos esperar que a MartinsSpeed continue na senda dos bons resultados e que os interessados surjam para que possamos ter novamente a equipa de Vila Real a tempo inteiro na Velocidade. Na Montanha a presença está assegurada e depois dos rasgados elogios que Luís Martins fez ao campeonato, fica a ideia que o nível é muito bom e não é por acaso que interesse dos pilotos e do público aumenta a cada ano. Resta-nos agradecer a enorme simpatia de Luís Martins e esperamos repetir a conversa em breve, já com mais novidades para dar.

 

Um pensamento sobre “MartinsSpeed: ” O campeonato de Montanha tem um nível excelente”

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.