F1 – Últimas.

 

Foto: XPB Images
Foto: XPB Images

Foram hoje conhecidas as novidades da reunião da FIA, que alterou vários pontos dos regulamentos os quais passamos a enumerar:

 

 

Pontos a dobrar na última corrida:

A regra foi abandonada pela FIA. Depois de muita polémica sobre a justiça da regra, a FIA decidiu abolir os pontos a dobrar para pilotos e construtores na última corrida do ano.

 

 

Recomeço de corrida:

A partir de agora, cada vez que a corrida for interrompida, os carros entrarão na pit lane e aguardarão em linha por novas instrucções. Anteriormente os carros ficavam parados no grid mas agora essa medida foi alterada.

 

 

Safety Car virtual:

O sistema testado em Austin e e no Brasil, com sucesso que limita a velocidade dos pilotos em zonas de duplas amarelas serão usado a partir do próximo ano. Contudo o Safety Car continuará a ser usado quando se achar necessário.

 

Penalizações:

Aquando de uma penalização por troca de componentes da unidade motriz, se o piloto não  puder cumprir a totalidade da penalização, isto é, se qualificar em 15º e for penalizado com 10 lugares, não será obrigado a cumprir o restante da penalização na outra prova. Uma medida que se aplaude uma vez que não fazia sentido um piloto ser penalizado duas vezes pelo mesmo motivo.

 

 

foto: XPB images - chicane motores
foto: XPB images

Unsafe Release:

Os carros que saírem da box e puserem em causa a segurança de outro carro que se aproxima, serão penalizados com 10 seg. Stop & Go. Outras penalizações poderão ser aplicadas se os comissários de pista assim o entenderem.

 

Carros com uma volta de atraso:

Já não será necessário ao Safety Car esperar que os carros com uma volta de atraso anulem essa volta, ou seja, não será preciso esperar que os retardatários cheguem aos seu lugares para o Safety Car sair de pista. Assim que os carros retardatários passarem o Safety Car, os comissários poderão dar luz verdes à corrida. Mais uma medida que se aplaude e que vai minorar os tempos de espera com o SC em pista.

 

Alterações na atribuição da Super Licença:

A atribuição da super licença foi também alterada. Com o “boom” de pilotos com menos de 18 a entrar na F1, e as criticas a subirem de tom, a FIA decidiu o seguinte:

Só serão atribuídas licenças a pilotos com idade superior a 18 anos;

Terão de ter cumpridos 300Km num F1 e ter no mínimo 2 anos de experiencia em categorias inferiores ( GP3, GP2, WSR);

Terão de ter ganho pontos suficientes para ser aceite a candidatura à super licença ( o sistema de pontos está ainda por definir).

 

 

 

Foi anunciado também  o calendário provisório para 2015. A grande novidade é a inclusão da Coreia como  21ª corrida, embora ainda careça de confirmação ( quanto a nós isso não irá acontecer, pois as equipas farão pressão para manter o calendário em 20 corridas). O calendário é o seguinte:

 

foto: xpb images - chicane motores
foto: XPB images

15 de março: GP da Austrália (Melbourne)

29 de março: GP da Malásia (Sepang)

12 de abril: GP da China (Xangai)

19 de abril: GP do Bahrein (Sakhir)

3 de maio: GP da Coreia do Sul (Yeongam)

10 de maio: GP de Espanha (Barcelona)

24 de maio: GP do Mónaco

7 de junho: GP do Canadá (Montreal)

21 de junho: GP da Áustria (Spielberg)

5 de julho: GP da Grã-Bretanha (Silverstone)

19 de julho: GP da Alemanha (Nurburgring)

26 de julho: GP da Hungria (Hungaroring)

Foto: XPB Images
Foto: XPB Images

23 de agosto: GP da Bélgica (Spa-Francorchamps)

6 de setembro: GP de Itália (Monza)

20 de setembro: GP de Singapura (Marina Bay)

27 de setembro: GP do Japão (Suzuka)

11 de outubro: GP da Rússia (Sochi)

25 de outubro: GP dos EUA (Austin)

1 de novembro: GP do México (Autódromo Hermanos Rodriguez)

15 de novembro: GP do Brasil (Interlagos)

29 de novembro: GP de Abu Dhabi (Yas Marina)

 

 

 

Relatório de Bianchi:

448fa-f1-japanese-gp-2014-jules-bianchi-marussia-f1-team-mr03A FIA atribuiu a culpa a Jules Bianchi pelo acidente sofrido em Suzuka. Segundo o relatório, o piloto não abrandou o suficiente em zona de bandeira amarela, o que terá provocado a saída de pista. Depois da saída de pista, o piloto carregou simultaneamente no pedal do acelerador e do travão. Normalmente isso deveria ter cortado o motor, mas o sistema de travagem usado pela Marussia impediu que isso acontecesse. A FIA diz que a estrutura do carro absorveu o impacto como previsto pelos regulamentos e seria impossível as estrutura proteger melhor o piloto, acrescentando que um cockpit fechado não teria surtido efeito.

A FIA diz ainda que os comissários agiram de acordo com os regulamentos previstos não lhes sendo imputada qualquer culpa.

 

 

Fábio Mendes

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.